O governo de Minas anunciou ontem que escolas públicas e privadas do Estado situadas em macrorregiões que estejam na Onda Amarela ou na Onda Verde para a Covid-19 poderão retomar as atividades presenciais a partir de 5 de outubro, de forma gradual. O ensino básico, no entanto, só poderá ser reaberto presencialmente em instituições que estejam em macrorregiões com Onda Verde, como é o caso do Norte de Minas.

O protocolo incluindo regras de funcionamento para as escolas, de monitoramento constante e suspensão das aulas em caso de aumento dos casos de Covid-19 será divulgado na próxima semana.

Regiões que voltarem da Onda Verde para a Amarela terão restrição no funcionamento, segundo o secretário de Estado da Saúde, Carlos Eduardo Amaral. E aquelas que porventura retornarem para a Onda Vermelha deverão suspender as aulas.

Amaral frisou que todos os municípios do Estado, inclusive os que aderiram ao programa Minas Consciente, terão autonomia para decidir sobre a reabertura das escolas neles localizadas.

De acordo com a secretária de Estado de Educação, Júlia Sant’Anna, o ensino remoto será mantido pelo governo e as famílias não serão obrigadas a enviar seus filhos às instituições de ensino estaduais.
 
ENEM
“Estamos com previsão de iniciar a partir do terceiro ano do ensino médio, tendo em vista o Enem. A inclusão dos alunos nas atividades presenciais será gradativa”, anunciou a secretária, informando que as aulas presenciais para a etapa acima na rede estadual devem ser retomadas em 19 de outubro.

As escolas estaduais não farão controle de presença. “Nossa recomendação é que municípios e escolas privadas façam o mesmo, mas eles terão autonomia para decidir sobre isso”.

A volta do ensino superior em sala de aula já está autorizada para ocorrer a partir de 5 de outubro, sempre respeitando a premissa de que a escola esteja em uma região com os índices de Covid-19 na Onda Amarela.

“Precisamos chamar a atenção sobre as escolas particulares que oferecem do ensino infantil até fundamental e médio: elas poderão voltar a funcionar, desde que suas regiões estejam na Onda Verde”, destacou o secretário de Estado adjunto de Desenvolvimento Social, Fernando Passálio.

Carlos Eduardo Amaral garantiu que a autorização para reabertura das escolas está sendo feita de maneira segura e consciente. Segundo ele, o protocolo a ser divulgado na próxima semana segue diretrizes internacionais e vem sendo elaborado há mais de três meses.

O Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep- MG) apontou que acredita e confia nas determinações dos órgãos estaduais, que controlam a pandemia em Minas Gerais. Para o Sinep-MG, o retorno às aulas deve seguir os protocolos sanitários e priorizar a saúde de alunos, professores e funcionários.
 
PROFESSORES
A presidente do Sindicato dos Professores de Minas Gerais, Valéria Morato, criticou o anúncio do governo antes da divulgação dos protocolos oficiais. “Nós estamos tentando apurar alguma publicação oficial. De fato, o que aconteceu foi só uma entrevista coletiva, que, na nossa avaliação, está muito confusa”.
 
NORTE
Até o início da noite de ontem, a Prefeitura de Montes Claros não tinha uma posição sobre o assunto. Já a assessoria de comunicação da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams) informou que foi pega de surpresa, portanto, ainda não há uma posição sobre o assunto. Acrescentou que hoje convocará os prefeitos para uma reunião.

*Com Cinthya Oliveira, Márcia Vieira e Christine Antonini