A Prefeitura de Montes Claros teria “desviado” R$ 150 mil da área da saúde para investir em propaganda. A denúncia foi feita pelo vereador Fábio Neves (PSB), que usou a tribuna da Câmara para trazer o fato à tona.

O aditamento no valor de R$ 150 mil, direcionado a agência de propaganda, consta do Diário Oficial de 8 de novembro de 2019 (processo nº 0171/2017) e está configurado como “demandas de utilidade pública”.

A publicação chamou a atenção do vereador, uma vez que o valor destinado à propaganda já estava inserido no orçamento e é considerado suficiente pelo parlamentar.

“Inicialmente, o valor orçado era de R$ 3 milhões. Depois, foi feito aditamento de mais R$ 2 milhões e, por fim, foi retirado do Fundo de Saúde R$ 150 mil para marketing. Os postos de saúde não têm medicamento e faltam coisas essenciais. Isso é, no mínimo, imoral”, destaca o vereador.

Um funcionário teria informado ao parlamentar que o valor foi utilizado para divulgar o serviço de ouvidoria da Secretaria Municipal de Saúde.

“Estou encaminhando um documento à prefeitura para que ela responda sobre isso. O município tem obrigação de fazer uma boa gestão dos recursos públicos. Não justifica, na situação em que se encontra a saúde, gastar com propaganda”, ressalta.
 
REPERCUSSÃO
A fala do vereador repercutiu mal entre os pacientes que necessitam de serviços e medicamentos fornecidos pelo município e não têm conseguido. É o caso de Nair Silva, que aos 70 anos é diabética, tem pressão alta e quadro de depressão. Há quatro meses ela vai ao posto de saúde e não encontra furador e agulhas para aplicar a insulina. Percorreu quatro unidades de saúde da cidade e, em todas elas, a situação é a mesma.

A filha de Nair, Vanessa Silva, está preocupada com a situação. “Estou reaproveitando algumas agulhas para aplicar o remédio e furar o dedo dela. Estou furando com água, mas tenho medo que ela contraia uma infecção. Quando a gente pergunta, eles não têm resposta, não dão previsão de quando o problema será resolvido”, declara Vanessa. 

A secretária Municipal de Saúde, Dulce Pimenta, não foi encontrada para falar sobre o assunto. Na Secretaria de Comunicação, as ligações não foram atendidas até o fechamento da edição.