Os candidatos têm neste sábado a oportunidade derradeira de garantir mais votos. Eles poderão fazer, até as 22h, caminhadas, carreatas, passeatas e utilizar carros de som - desde que os microfones não sejam usados para transformar o ato em comício. A distribuição de material gráfico, como volantes, santinhos e outros impressos, também é permitida até as 22h.

Já no domingo, dia da votação, pode ser realizada manifestação individual e silenciosa pelo eleitor por meio de bandeiras, broches e adesivos. É proibido o uso de alto-falantes e amplificadores de som, a promoção de comício ou carreata, a arregimentação de eleitor ou boca de urna, a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou candidatos.
 
LEI SECA
Também no domingo, está proibida a venda, a distribuição e o fornecimento de bebidas alcoólicas entre 6h e 18h, em todas as cidades mineiras. A decisão foi tomada pela Corte Eleitoral na última quinta-feira (12) e publicada nesta sexta-feira (13) pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG).

A restrição é válida para bares, boates, hotéis, restaurantes, lanchonetes, clubes recreativos, salões de festas, quiosques e demais estabelecimentos comerciais e similares, em todo o Estado de Minas Gerais. A mesma proibição será aplicada nas cidades em que houver segundo turno, no dia 29 de novembro.

De acordo com a Corte Eleitoral, “a ingestão de bebida alcoólica, no dia das Eleições, comumente acarreta transtornos, compromete a boa ordem dos trabalhos eleitorais e o exercício democrático do voto, podendo resultar em condutas que afetem nocivamente o processo eleitoral e a prática de atos vedados como a aglomeração de pessoas, notadamente em face da pandemia da Covid-19”.

A decisão contraria um pedido feito pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel-MG) para que a venda de bebidas fosse liberada durante todo o domingo. A entidade alegou que o setor foi muito impactado pela pandemia e que a liberação já foi feita em 15 estados brasileiros.