Memória de uma aroeira

Vitrine Literária / 23/01/2008 - 10h35

Durante algum tempo estive envolvido com a leitura de um belíssimo e despretensioso livro de memórias, despretensioso mesmo, porém rico em informações históricas sobre a cidade de Montes Claros. Assim, revendo a minha lista de livros de autores montes-clarenses eu me defrontei com essa jóia, que tem por título "Memória de uma aroeira". De fato é um empreendimento editorial da maior relevância, certamente um dos mais importantes para os estudos de fontes da historiografia, antropologia, etnologia e outros assuntos relativos a cultura montes-clarense de modo geral.

O livro "Memória de uma aroeira" foi lançado há mais de uma década. Ele tem autoria do ilustre jornalista Luiz Pires Filho e nos apresenta fatos e fotos de grande importância na construção histórica e cultural de nossa querida cidade. O meu primeiro envolvimento com esta influente obra se deu quando garimpávamos informações para o complemento do nosso modesto livro: "Historia primitiva de Montes Claros". Agora, me encontro outra vez a debulhar as suas páginas na procura de outras informações necessárias à feitura de um novo livro: "O Laço Húngaro". Mesmo de relance o autor Luiz Pires Filho registra a passagem do jagunço Rotilho Manduca por essas bandas de Minas Gerais, o que vem afirmar as nossas pesquisas sobre a interessante lenda do "nosso lampião", com a sua inclusão contra o movimento liderado pelo capitão Luiz Carlos Prestes, no ano de 1926.

Outro grande momento do livro de Luiz Pires Filho é a descrição do povoado do Cedro - onde o autor nasceu - que tem uma belíssima ilustração do competente artista plástico Newton Baleiro. Naquele lugar o dinheiro corrente era conhecido pelo nome de boró. Com uma experiência de mais de quatro décadas com a numismática, não me curvo em afirmar sobre a importância dessas cédulas (o boró), não obstante o Barão de Jequitaí (Major Cipriano de Medeiros) dizer em carta enviada ao capitão Simeão Ribeiro dos Santos das dificuldades da fabrica do Cedro por falta de dinheiro.

Não se trata aqui, neste livro, de uma história completa e acabada. Nem sequer de um único assunto, senão de várias pinceladas na memória do tempo. Além de gráficos, o livro ainda traz várias ilustrações, fotografias e reprodução de documentos antigos. A linguagem empregada nele pelo autor é das mais simples. O livro "Memória de uma aroeira" serve de uma seqüência paradigmática para a construção da história antiga de Montes Claros. Apesar de tudo, se o livro do confrade Luiz Pires Filho não é suficientemente completo para subsidiar pesquisas, os assuntos de que trata sem nenhuma dúvida os são. Nota-se que no início do parágrafo já afirmávamos que não se trata de uma obra completa e acabada.

Luiz Pires Filho é membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros, ocupa com toda justiça a Cadeira de número 94 e tem como patrono o senhor Teófilo Ribeiro Pires. Ele formou-se em 1948, no curso de Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais. Assim, ficam para o leitor, especialmente para aqueles ligados à história antiga de nossa região, essas provocações que objetivam o enriquecimento e a ampliação de alguns dos aspectos históricos de Montes Claros. Por outro lado o nosso Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros, ciente de suas obrigações, insiste que o autor faça outras publicações de sua lavra. Montes Claros é merecedora de obra de forma maleável e dúctil ao menor gesto do seu ritmo. Portanto, agradece o empenho e o carinho de seus filhos, principalmente aqueles que participam da construção de sua história. 

Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros
Academia Montes-clarense de Letras

Publicidade
Publicidade
Comentários