As mangueiras de Dona Zezé

Vitrine Literária / 16/07/2020 - 00h03

O que mais nos agrada em elaborar crônicas literárias é, sem sombra de dúvidas, o prazer de uma boa leitura. Agora mesmo, estamos novamente lendo mais um livro de belíssimos poemas e de excelentes crônicas. É mais um livro do acadêmico Pedro de Oliveira que retrata com a máxima fidelidade dos fatos as reminiscências d’As Mangueiras de Dona Zezé. Em estado de emoção lúdica, ou em nível edênico, a escrita solta, livre e lépida de Pedro de Oliveira tem o poder de transportar o leitor não para um futuro promissor como assim desejaria o distinto leitor, mas para a época pretérita de cada leitor no seu espaço temporário. As reminiscências são um acinte, sobretudo se a elas se aliam a saudade oriunda das boas lembranças. Vale reportar, ainda, o que disse o autor neste seu livro, ao afirmar que “há quanto tempo que passou.../ eu ainda era criança/ tempos idos/ de minha infância...” ou “Nos meus tempos de criança/ era um garoto de pouca fé/ mas perdia a estribeira/ por uma manga no pé” ou, ainda, “Tempos idos de minha infância/ e de tantos jovens da Palma/ que hoje guardam na lembrança/ bons tempos de uma cidade calma”. Ora, o tempo melhor que temos na vida é sempre o tempo perdido.

De qualquer forma, a saudade absoluta existe para ser violada, superada e conquistada nos seus limites de (in) tolerância. Somente sobrevive por assim dizer se não a procuramos num reencontro das lembranças. Disse Catulo da Paixão Cearense, no seu poema Flor da Noite, que “tudo passa neste mundo só a saudade é que fica”. Portanto, o que faz o nosso poeta Pedro de Oliveira é alimentar as saudades que ficaram com as suas crônicas e os seus poemas. Assim ele faz porque assim é mais gostoso de escrever. O recordar d’As Mangueiras de Dona Zezé, do velho educandário “Paulo Ferreira”, da fábrica de pinga Sanguinette, do Gran Circo Sul Americano, da roça de Seu Zezinho e de tantas outras situações e ocasiões do tempo de meninice é o que mais importa, pois, somente se sobrevive por um período medido por um instante, ou por um momento e nada mais.

Todas as lembranças do livro As Mangueiras de Dona Zezé podem ser alegóricas. Aliás, relembrar causos e/ou contar causos é o mesmo que incentivar uma ação fictícia incrustada na memória de quem assim o faz. Pois bem, quem conta um conto aumenta um ponto. 

Publicidade
Publicidade
Comentários