Venda da Lafarge

Preto no Branco / 17/07/2021 - 08h10

Que a empresa LafargeHolcim decidiu vender sua fábrica de cimento em Montes Claros, já é do conhecimento de todos. A novidade é que ainda não foi concretizada a negociação com a Cimento CSN e que um novo grupo entrou na disputa. A coluna apurou que, na manhã de ontem, diretores da Communications Construction Company (CCCC), a maior empresa chinesa de infraestrutura, que absorveu no Brasil a antiga Concremat, estiveram reunidos com o Grupo Lafarge para fechar acordo.
 
Bandeira Vermelha
Ficar procurando culpados pela chamada “Bandeira Vermelha”, que eleva o preço pelo consumo da energia elétrica, é uma discussão inútil. Na prática, governos anteriores, certamente por interesses escusos, impediram ou dificultaram a implantação de energias limpas, tirando o país da dependência dos recursos hídricos para geração de energia. A este respeito é preciso reconhecer a importância da bandeira assumida, já há alguns anos, pelo deputado estadual Gil Pereira (PSD), que tem feito gestões e promovido debates sobre a crise hídrica e a utilização das energias limpas como parte da solução para o grave problema climático.
 
Financiamento de campanha
A população continuará bancando as campanhas políticas “nesse Brasil de meu Deus”. Para aprovar o texto base da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), deputados e senadores aprovaram a proposta na qual está inserido o aumento de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões das cifras destinadas ao financiamento eleitoral de 2022. No Senado, os mineiros Antonio Anastasia e Carlos Viana, ambos do PSD, foram favoráveis ao aumento dos gastos.
 
Interesses e as notícias
Para os verdadeiros e comprometidos profissionais da imprensa, e quem tem o hábito de acompanhar os telejornais, é triste perceber que jornais e programas até então considerados referência deixaram o conteúdo de lado para abraçar a bandeira do ódio, da militância e da defesa do direito de ser mantido com recursos públicos. A preocupação aumenta quando percebemos que este comportamento começa a tomar corpo dentro do mundo esportivo.
 
Te desejo a morte
Enquanto as divergências entre os detentores de mandato eletivo e população caminhavam no campo das ideias, dos debates propositivos e até mesmo dos interesses partidários, de forma sadia, entendemos que era uma forma de crescimento da democracia, que só prospera em terreno que exista oposição e situação. Infelizmente, hoje todos estes conceitos e atitudes foram jogados no lixo para se transformar na guerra do ódio e do poder pelo poder. Estamos assistindo integrantes da classe política e da sociedade postarem nas redes sociais desejando a morte do presidente Bolsonaro e do próprio ex-presidente Lula. É no mínimo uma atitude nojenta.

 

Publicidade
Publicidade
Comentários