Tiro no escuro

Preto no Branco / 02/09/2020 - 00h46

Não procede a informação de que a direção do PSB mudou a sua comissão provisória em Montes Claros para evitar alinhamento com a candidatura à reeleição do prefeito Humberto Souto. Há mais de um ano temos divulgado toda movimentação da agremiação, inclusive tendo antecipado que após expirar o mandato do deputado federal Júlio Delgado, na direção estadual, o deputado Vilson da Fetaemg assumiria a presidência. Afirmamos ainda que, como majoritário do PSB em Montes Claros, Vilson não abria mão de indicar a comissão. Também antecipamos o entendimento feito pela direção nacional do PSB e do PV para lançamento de candidatura própria em Montes Claros. Divulgamos também que o escolhido para a direção seria o ex-delegado Lindon Batista e não o ex-vereador Fábio Neves, como foi divulgado. Entendo que não há necessidade de mudança para evitar alinhamento com a administração. Bastaria a direção estadual ou nacional determinar.

Campo socialista
Ao explicar o que está acontecendo em Montes Claros com o PSB, integrante da cúpula estadual da agremiação comentou que seguem diretrizes nacionais. Citou que desavenças com o PT de Pernambuco resultou no travamento de aliança em diversas cidades com segundo turno e acima de 100 mil eleitores. Frisou que, no município, o PSB está construindo aliança, coordenada por Lindon Batista. Em relação a Humberto Souto, explicou que existe uma diretriz de não coligar com partido e pessoas de direita, e que seja alinhado com Bolsonaro. “É impossível coligar com Humberto Souto, vamos seguir a linha socialista”, concluiu.
 
Visita do governador
Mais uma vez o governador Romeu Zema adiou a visita que faria a Montes Claros para anunciar a realização de obras na região. Segundo informação do Palácio Tiradentes, a confirmação da nova data será anunciada na próxima semana, mas a princípio está sendo agendada para o dia 8, numa terça-feira. Vale lembrar que a segunda-feira é feriado, em comemoração à Independência do Brasil.
 
Mensagem de políticos
O sociólogo e professor Natal Padoani, diretor da empresa de pesquisa Apup, realizou pesquisa no Norte de Minas, Vale do Jequitinhonha e sudoeste da Bahia para saber se o eleitor gostaria de receber, via redes sociais, mensagens dos candidatos. O resultado da pesquisa é que 50% afirmam que não gostariam. O comportamento do eleitorado pode ser creditado à pandemia da Covid-19, aliada à descrença com a classe política.
 
Live na eleição
Vários pré-candidatos questionaram este jornalista sobre a proibição de live durante o período da campanha eleitoral. O TSE já manifestou entendimento sobre o assunto. O que está proibido é a participação de lives promovidas por artistas, com intuito de fazer campanha eleitoral.

Publicidade
Publicidade
Comentários