Políticos e as enchentes

Preto no Branco / 30/12/2021 - 00h59

Na coluna de ontem comentamos sobre a necessidade de as nossas lideranças se envolverem na busca de solução para as milhares de pessoas no Norte de Minas que foram atingidas pelas enchentes, cujas necessidades vão desde roupas e alimentos até moradia. O ponto positivo é que lideranças como o presidente da Amams, Nilson Bispo de Sá, e os deputados estaduais Arlen Santiago e Gil Pereira, não só manifestaram sobre o assunto como se envolveram de forma prática na busca de solução e visitaram as regiões atingidas. Aliás, percorreram as áreas atingidas juntamente com o governador Romeu Zema (Novo). É esse tipo de atitude que esperamos dos demais representantes. Aliás, os parlamentares de outras regiões que aparecem por aqui, somente em período de eleição, até agora não se manifestaram. Continuam apostando que as migalhas que destinam aos municípios através da sobra de emendas é o suficiente para garantir os votos. O pior é que eles têm razão.

Zema e a ALMG
Não é preciso ter bola de cristal para prever que em 2022 Zema encontrará dificuldades em conseguir aprovar matérias de interesse do governo. Até parte dos deputados que hoje são aliados deverá desembarcar ainda no primeiro semestre. Primeiro que, após definição dos candidatos ao governo de Minas, os deputados terão que seguir a orientação do partido, acompanhando o candidato da agremiação. Um outro problema é que no caso da federalização, parlamentares serão obrigados a acompanhar a decisão e orientação da direção nacional.
 
Copasa
A transferência em Montes Claros do escritório da Copasa da área central para o bairro Jardim Alvorada pode ter sido bom para a empresa, mas acabou prejudicando a população que precisava resolver qualquer questão junto à companhia. O motivo da transferência é a venda do prédio. Entendo que a companhia deveria alugar um imóvel na área central para atender o público.
 
Caso de polícia
Chamou a atenção a frustração de vários majores do Norte de Minas aptos a serem promovidos. Para se ter ideia, neste final de ano, o comando-geral da corporação promoveu 42 majores, sendo que da região somente Fernandes, que atuava em São Francisco, foi promovido à patente de tenente-coronel.
 
Pirapora/Amams
As entidades de classe do Norte Minas deveriam se unir à Amams para fortalecer as gestões da Prefeitura de Pirapora que pleiteia para aquele município a implantação de uma unidade da Heineken prevista para Minas. Além do aspecto de logística, a facilidade de escoamento e os incentivos da Sudene são mais do que um atrativo. De qualquer forma, parabéns à Amams pela preocupação no envolvimento com as questões de interesse da região.

Publicidade
Publicidade
Comentários