Partidos à deriva

Preto no Branco / 06/08/2020 - 00h38

Que cada eleição tem sua própria história, é um fato concreto. Em Montes Claros, por exemplo, a indefinição começa dentro dos próprios partidos, que não estão conseguindo se posicionar diante do processo. Com exceção das legendas que anunciaram candidatura própria, a exemplo do Podemos, Cidadania, Progressista e PT, os outros estão à deriva, buscando abrigo. O mais interessante é que a preocupação é a defesa do lado pessoal, deixando de lado a ideologia ou posicionamento de grupo no município. A situação chegou a tal ponto, que partidos historicamente de esquerda, com exceção do PT, estão buscando abrigo na candidatura da situação. Aliás, a defesa da administração, nos últimos três anos e meio, esteve hasteada no terreiro destes partidos.

Deputado na deriva
Não é só em função da pandemia da Covid-19 que o retrato da política em Montes Claros vem tomando novo rumo. A falta de nomes para a disputa na majoritária tem levado inclusive deputados da região a admitirem mudar de embarcação, ou na pior das hipóteses, liberar seus candidatos na proporcional a buscar rumo próprio. Para este jornalista, não será nenhuma surpresa se entre estes parlamentares, dois buscarem abrigo no ninho da situação. Aliás, um desse já foi avisado por vereadores do seu partido que já decidiram o caminho a seguir.

Fidelidade partidária
Antes mesmo da deflagração das convenções municipais, o retrato antecipado do que deve acontecer é de que nestas alturas do campeonato a fidelidade partidária será apenas letra morta no estatuto partidário. Além da pandemia da Covid-19, a classe política enfrentará a “pandemia da infidelidade partidária e ideológica”. O vírus vem atingindo, principalmente, partidos tidos como de esquerda, que pelo visto estão deixando o lado ideológico e orientações estatutárias. Estes, mesmo que orientados pela direção estadual, ou não nacional, não conseguirão direcionar seus candidatos na disputa proporcional.

Decreto Municipal
A decisão da Prefeitura de Montes Claros em flexibilizar o funcionamento de bares e restaurantes da cidade, na prática, vai de encontro aos interesses dos comerciantes e também da população. Mesmo assim, tem gente nas redes sociais considerando a decisão criminosa. Talvez se tivesse na outra ponta do processo, não estaria pensando desta forma. O certo é unir as medidas de enfrentamento à Covid-19 e a sobrevivência do comércio. Sou a favor de que as medidas restritivas sejam direcionadas aqueles que não estão cumprindo as determinações. Bares e restaurantes estavam autorizados a funcionar até as 20h. Com o novo decreto, de domingo a quinta-feira o fechamento será às 22h, nas sextas e sábados, às 23h. 

Publicidade
Publicidade
Comentários