Novela PSB

Preto no Branco / 27/11/2020 - 00h59

Quem imaginou que após as eleições a paz reinaria dentro do ninho pessebista de Montes Claros calculou errado. Nesta semana, integrante da agremiação no município encaminhou ofício ao presidente nacional, Carlos Siqueira, denunciando que o presidente estadual, deputado federal Vilson da Fetaemg, mesmo alertado, continua bancando na presidência da agremiação Lindon Batista, que há vários anos integra as fileiras do MDB. Lindon é advogado da Fetaemg e participou da coordenação da campanha de Vilson na região. A este respeito, Igor Versiani, que integra as fileiras do PSB, chegou a comentar que o dirigente do partido em Minas tenta fazer da agremiação um “puxadinho” da Fetaemg.

Jaíba
O MDB de Jaíba comemora o fato de, pela primeira vez na história do município, um prefeito conseguir a reeleição. Segundo Moreno, presidente da agremiação, a reeleição de Reginaldo Silva permitirá por fim a divisão política provocada pela disputa.
 
Número de candidatos
Dos cerca de 600 candidatos a vereador em Montes Claros, 124 deixaram de concorrer. A dúvida é em relação ao real motivo, já que o cartório eleitoral da cidade não divulgou para imprensa detalhe do processo. A dúvida é de quantos teriam sido por indeferimento ou por desistência.
 
Decepcionado com as urnas
Na eleição municipal deste ano em Montes Claros, chama atenção a performance de alguns dos candidatos já experimentado nas urnas, na disputa proporcional. Pelo resultado, o mais provável é que abandone de vez o desejo de ocupar uma cadeira na Câmara. Um exemplo é o ex-vereador Gilmar Ribeiro, o ex-vereador professor André Ricardo, ex-vereador Ladislau que tiveram votação baixa ou insignificante. Nesta mesma toada, podemos citar outros nomes, como o vereador Sérgio Pereira, o médico Roberto Loyola, Gera da Padaria, Hilário Bispo, Celso Câmara, Eduardo Marques, o ex-prefeito Zé Vicente e o juiz aposentado Danilo Campos.
 
Curiosidade
Uma das curiosidades da eleição em Montes Claros este ano é que dos mais de 400 concorrentes apenas 26 tiveram entre 900 a 1.052 votos, que foi a votação de Leãozinho (Patriota), o menos votado entre os eleitos. Uma outra curiosidade é de que 70% dos candidatos que já haviam enfrentado as urnas tiveram no mínimo 30% a menos de que na disputa anterior.
 
Eleição nas entidades
Historicamente tem chamado a atenção o fato de a eleição em entidades do Norte de Minas, como Amams, Cimams e Cisrun,que são entidades e consórcio de responsabilidade e competência exclusiva dos prefeitos, receberem influência direta dos deputados estaduais e federais, votados na região. É que, como os prefeitos são eleitos com apoio destes parlamentares, estes são acionados para participarem diretamente das articulações.

Publicidade
Publicidade
Comentários