Manifestação em BH

Preto no Branco / 04/09/2021 - 00h59

O coronel Nivaldo Ferreira, diretor regional da Associação dos Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (AOPMBM), no Norte de Minas, informou que os dirigentes regionais da entidade estiveram reunidos na capital, com participação de representantes da Polícia Civil, Penal e Socioeducativo, para discutir estratégia do movimento de recomposição salarial dessas categorias. A manifestação acontece na próxima quinta-feira, a partir das 9h, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte. 

Caravana policial
Cinco ônibus lotados e vários veículos vão sair de Montes Claros na madrugada de quarta-feira para participar da manifestação na Cidade Administrativa. O movimento visa cobrar do governo do Estado a reposição salarial.
 
Carreata solidária
Profissionais da área da segurança pública em Montes Claros estão programando para esta quarta-feira (8) uma carreata solidária, por várias ruas da cidade, com objetivo de alertar a população para o momento que vive o país. Também serão homenageados policiais que perderam suas vidas pela Covid-19, que foram afetados ou foram executados por defenderem a população. A concentração, inicialmente, está prevista para acontecer no bairro Ibituruna, próximo ao Parque Sagarana. Na programação está previsto o chamado “Gesto solidário”, com parada em frente ao Hemominas, onde haverá doação de sangue pelos participantes.
 
7 de Setembro
Dois quarteirões da avenida Sanitária em Montes Claros, da esquina da avenida Mestra Fininha até a prefeitura, na João Luiz de Almeida, serão ocupados nesta terça-feira (7 de setembro) por setores representantes de diversos segmentos da sociedade. Nas ruas adjacentes estarão concentrados caminhões, tratores, cavalos, motocicletas e outros. A concentração será a partir das 9h, quando haverá manifestação a favor do governo, contra o STF e a favor do voto auditável. Os movimentos religiosos também estão sendo mobilizados.
 
Aberração eleitoral
Até agora não consegui entender os motivos que levaram a deputada Margarete Coelho, do PP do Piauí, a apresentar proposta dentro da Reforma Política que determina que um suplente só poderá assumir uma vaga se for do mesmo sexo de quem está deixando o mandato. Acredito que tal absurdo não tenha ressonância no parlamento. Criar forma de aumentar a representação feminina na política é uma necessidade; entretanto, a proposta apresentada é no mínimo discriminatória. Se aprovada, a proposta também será aplicada no caso das eleições municipais (para vereadores).

Publicidade
Publicidade
Comentários