Incerteza das pesquisas

Preto no Branco / 13/11/2020 - 00h49

Durante todo o processo político, alertamos os candidatos em relação ao silêncio do eleitorado, que tem assistido as campanhas a distância. Ficou evidente que a população esteve alheia aos embates nos programas eleitorais da TV e nas redes sociais. Tal comportamento tem influenciado diretamente nos resultados das pesquisas. Mesmo em casos que determinado candidato aparece à frente, não tem como cravar como certa a vitória, em decorrência do grande número de indecisos. Como estamos vivendo uma eleição atípica, as chances de erro nas previsões acabam sendo maiores.

Mamonas
Recebi de um leitor o pedido de informação em relação à disputa majoritária em Mamonas, no Norte de Minas. A disputa no município é entre Idalino (Patriota) e Valdeci (PTB). O clima na cidade se mostra favorável a Idalino, que concorre à reeleição.
 
Avaliação dos candidatos
Tenho sido questionado em relação às avaliações dos candidatos que estão concorrendo a uma vaga na Câmara de Montes Claros. O resultado que divulgamos é baseado na experiência de mais de 40 anos como analista político, com graduação em marketing. Sabemos que pesquisas na disputa proporcional não oferecem nenhuma segurança, em decorrência do universo a ser pesquisado e do número de candidatos na disputa. O que avaliamos é a performance em eleição anterior, o trabalho de momento, o envolvimento comunitário, a movimentação de campanha e outros quesitos que permitem fazer uma leitura das chances do candidato no processo. O confronto destas informações permite manifestar com certo grau de segurança.
 
Questionamento de avaliação
Pelo fato de não ter envolvimento com nenhuma campanha política, divulgamos no decorrer do processo avaliação sobre a situação em cada município da região. Um dos questionamentos que recebi foi em relação à cidade de Coração de Jesus, onde fizemos uma avaliação do quadro sem citar números, uma vez que ainda não havia sido autorizado pela Justiça Eleitoral. Para sanar as dúvidas, informamos que a avaliação que fizemos consta na pesquisa MG-03708/2020, realizada pelo Instituto Ver Pesquisa e Comunicação Ltda. Sem citar número, para evitar polêmica, ressalto que a ordem é a mesma divulgada pela coluna (Robinho, Junior Cordeiro e Larissa Lafetá).
 
Carreata vereador
A primeira imagem que temos de uma candidatura na proporcional é a de que o voto é pulverizado. Em alguns casos, o candidato a vereador consegue concentrar sua votação em uma determinada região. Partindo deste princípio, é possível dizer que não apresenta resultado prático a realização de carreatas por toda cidade. Em véspera de eleição, as energias poderiam ser utilizadas em outras ferramentas, principalmente na fidelização do voto já conquistado.

Publicidade
Publicidade
Comentários