Entidades filantrópicas

Preto no Branco / 22/10/2020 - 00h59

Sem querer fazer qualquer juízo de valor, não vejo com bons olhos a presença de representantes de entidades que desenvolvem trabalho filantrópico em programa eleitoral, deste ou daquele candidato. Qualquer que seja o eleito a prefeito, a entidade vai necessitar de apoio. Aliás, vive do apoio de todos os segmentos da sociedade. O que é aceitável é que, pelo bom trabalho realizado à frente da entidade, estas pessoas enfrentem as urnas para melhor representar o segmento.

Lula/Bolsonaro
Antes de deflagrar o processo eleitoral, afirmamos que nem a figura do presidente Bolsonaro, nem a do ex-presidente Lula, teria qualquer influência direta no processo. A leitura vem sendo comprovada de forma clara. O que está existindo na prática é avaliação de valores sociais, baseado em posicionamento esquerda/direita. Aliás, mesmo tal avaliação se diferencia de região para região, de município para município.
 
Renovação
Para as eleições deste ano, havia uma expectativa do aumento na renovação tanto na proporcional como na majoritária (Câmaras e prefeituras). No atual momento da campanha é possível afirmar que diminuiu o anseio pela renovação política. A experiência está sendo mais valorizada.
 
Campanha internet
Candidatos com chance de eleição na proporcional entraram para o processo imaginando que a internet seria o fator decisivo da campanha. A avaliação em parte dos casos está correta. O erro vem sendo constatado na aplicação das ferramentas. É visível a falta de direcionamento e conteúdo. São postagens aleatórias, sem um enredo, uma sequência. É preciso, antes de tudo, imaginar que estão todos disputando eleitor no mesmo espaço.
 
Avaliação das postagens
Como sugestão na utilização da internet como instrumento de campanha, a dica é a de que o candidato encontre uma forma de medir o alcance das postagens. Isto permitirá saber se deve continuar, melhorar, mudar o conteúdo e a hora de avançar para próxima fase.
 
Avaliação errada
Convencidos por dirigentes partidários, nomes conhecidos junto à sociedade em Montes Claros acabaram aceitando a missão de enfrentar as urnas, acreditando que a visibilidade social seria o suficiente para vencer o pleito. Em plena reta final de campanha, perceberam que colocaram em cheque a avaliação profissional e social. O resultado é que vários destes estão pensando em desistir, mas não sabem por onde começar.

Publicidade
Publicidade
Comentários