Entidades e as eleições

Preto no Branco / 11/01/2022 - 00h37

Em coluna anterior, comentamos que as entidades de classe, independentemente do alinhamento com a esquerda ou a direita, precisam se posicionar com relação ao processo político. É que o futuro destas entidades também depende do que acontecerá nas eleições de outubro. Na semana passada estive conversando com um dirigente de importante entidade de classe e este informou que já começaram a se movimentar. A este respeito, entendo que as ações devem ser publicadas, para que contagie e contamine outras pessoas.

A vacina e as dúvidas
Confesso de que quanto mais leio artigos, opiniões e manifestações relacionadas à vacina da Covid-19 maiores são as dúvidas. É que ninguém apresenta uma opinião conclusiva. A situação complica ainda mais no momento em que autoridades do Judiciário, do governo, prefeitos, integrantes do Ministério Públicos e outros se posicionam e decidem como se fossem conhecedoras do assunto. O mais triste é que o mundo científico não se posiciona em meio às dúvidas e às críticas que são apresentadas.
 
Diga não ao paraquedista
Desde que o objetivo seja estritamente a defesa do Norte de Minas, considero interessante, no WhatsApp, o grupo “Diga Não ao Paraquedista”. Se, de fato, a proposta é fortalecer a representação regional, é importante o engajamento. O que não seria correto, ou admissível, é que integrantes utilizem o espaço apenas para defender candidatos de sua preferência. A luta deve ser por uma causa e não por uma pessoa. 
 
Saúde
Quem de fato conhece a realidade atual da saúde de Montes Claros chega a se indignar com o jeito atriz com que a senhora secretária de Saúde, Dulce Pimenta, tem se apresentado em programa de televisão para responder às críticas e aos anseios da população. Apresenta justificativa como se fosse a resposta real da situação. Sabemos que vários municípios do país passam por dificuldades, seja por falta de médicos ou de espaço hospitalar para atender a demanda. O que a população quer é que a secretária mostre a realidade da saúde, inclusive convocando a todos para ajudá-la a enfrentar o problema.
 
Alagamentos
O leitor Wagner Tadeu, que é motorista de aplicativo, encaminhou à coluna e-mail explicando o que considera motivos de alagamento de regiões da cidade. Cita que, em BH, deixa-se entre 30 e 50 centímetros de cada lado da via para facilitar o escoamento das águas. As canaletas são de concreto, ao contrário de Montes Claros, onde o asfalto vai até o meio-fio. Citou o fato de alguns bueiros estarem acima do nível da rua. Concluiu: “Um abraço e continue assim, com o seu jornalismo imparcial, coisa rara na imprensa de hoje”.

Publicidade
Publicidade
Comentários