Eleição e a esquerda

Preto no Branco / 18/11/2020 - 00h52

Antes do pleito eleitoral, comentei neste espaço da necessidade de os partidos de esquerda, em especial o PT, reverem seus conceitos de forma a permitir voltar ao cenário político em pé de igualdade com as grandes agremiações. O resultado das eleições do último dia 15 mostrou este retrato de forma clara em todo o país. A esquerda encolheu, diminuindo o número de prefeitos eleitos. No Norte de Minas, este quadro ficou bem evidente.

BR-251 pede socorro
Todos os dias estamos assistindo à divulgação de acidentes graves na BR-251, na sua maioria com vítima fatal, e, mesmo assim, nem o governo federal nem o estadual se manifestam sobre o problema. Já os nossos deputados apenas apresentam pedidos tímidos, como forma de dar satisfação à população. É preciso atitude mais rígida para mostrar ao governo que este não pode continuar agindo com negligência, simplesmente virando as costas para o grave problema.
 
Dividindo o bolo
A dúvida dos envolvidos nas campanhas políticas, em Montes Claros, de reeleição do prefeito Humberto Souto (Cidadania), é de como ficará a formação do novo secretariado. Antes mesmo da posse dos eleitos, já estamos assistindo à choradeira e ao sobe e desce nas escalas da prefeitura, apesar da ausência do chefe do Executivo. A tentativa neste primeiro momento é o de acomodar ou tentar emplacar suplentes de vereadores aliados. A conversa de bastidores é que em relação ao resultado da eleição, ganharam mas não vão levar, já que não houve sequer conversa para aderir ao grupo, além dos buracos já estarem todos ocupados.
 
Surpresa no resultado
Fugindo de todas as leituras e perspectivas dos analistas políticos, a eleição em Montes Claros caminhou sentido contrário a todos os prognósticos anunciados. Nem mesmo pesquisas de consumo interno conseguiram detectar a movimentação na disputa proporcional. Para se ter ideia, somente 14 vereadores foram eleitos diretamente dentro do quociente eleitoral, que ficou em torno de 8.700. Somente o Cidadania, Rede, PSL, MDB, PSD, PT, PDT, PV e Republicanos atingiram o índice.
 
Beneficiados pela Lei
Se a nova regra eleitoral tivesse mantido o fim da coligação na proporcional, mas retirado do texto o direito de partidos que não fizeram o quociente eleitoral, participar da distribuição da sobra, em Montes Claros, nove partidos que conseguiram representação na Câmara, estariam fora. O resultado final mostrou que nem o PTB, Patriota, PP, Podemos, Solidariedade, PC do B e PSC atingiram a votação exigida de 8,7 mil votos.
 
Eleição para presidente
Com menos de uma semana após a eleição, os vereadores eleitos por Montes Claros já iniciaram articulação visando a formação de chapa na disputa pela direção daquela Casa. Até agora, três nomes já se apresentaram como candidato a presidente. A informação que vem do terceiro andar da prefeitura é a de que o Executivo não vai interferir no processo.

Publicidade
Publicidade
Comentários