Comissões

Preto no Branco / 25/11/2020 - 00h56

Na formação das novas comissões da Câmara de Montes Claros, em janeiro, quando será eleita a nova mesa diretora, o Cidadania, que elegeu quatro vereadores, terá prioridade na escolha. É que a ordem da indicação é através do número de integrantes da bancada. O MDB, PSL, PSD e PT, que elegeram dois vereadores cada, participam do primeiro sorteio para saber a sequência da indicação. Por fim, o Solidariedade, Rede, PDT, PSC, PV, PP, PTB, Podemos, Republicanos, PC do B e Patriota, que conseguiram eleger apenas um vereador, vão para o último sorteio para saber o restante da ordem da indicação.

Cidade Administrativa
A nova sede da Prefeitura de Montes Claros, denominada de Cidade Administrativa, que foi idealizada pelo ex-prefeito Ruy Muniz e concretizada pelo atual prefeito, Humberto Souto, já iniciou a transferência de alguns setores. No local já funciona o almoxarifado e a Secretaria de Defesa Social. Nesta semana, começou a transferência da Secretaria de Desenvolvimento Social para o local. A próxima fase será a transferência para o local das secretarias de Saúde e de Educação.
 
Valcir da Ademoc
Os deficientes de Montes Claros, também denominados de especiais, perdem importante representatividade na Câmara de Vereadores. A derrota nas urnas do vereador Valcir da Ademoc (PTB) enfraquece um trabalho já consolidado. A representatividade naquela Casa passa a ser do vereador Rodrigo Cadeirante. Vale lembrar que as principais conquistas, nos últimos anos, para as pessoas especiais e suas entidades foram chanceladas por Valcir, que certamente continuará o trabalho, mas sem a autoridade que o cargo de vereador permite.
 
Perpetuação no poder
Afirmar que a corrupção no Brasil é endêmica é uma forma de generalizar o comportamento da sociedade como um todo. Sabemos que, na prática, a solução do problema passa por moralização e reformulação dos poderes. Um exemplo claro é permitir que políticos façam do cargo uma profissão, criando raízes no poder. É evidente que o único culpado passa a ser o eleitor, cujo compromisso é pessoal e não coletivo.
 
Interferência na eleição
Na disputa pela presidência da Câmara de Montes Claros, o pensamento tanto dos vereadores como dos concorrentes é de que o prefeito Humberto Souto não irá interferir no processo. Na prática, sabemos que o posicionamento de neutralidade é uma missão impossível. A exemplo das disputas anteriores, o chefe do Executivo não manifesta abertamente, mas através dos auxiliares próximos manda recado e aponta o nome de sua preferência. Mesmo todos concorrentes sendo aliados, o direcionamento será apresentado.

Publicidade
Publicidade
Comentários