Aumento da abstenção

Preto no Branco / 08/08/2020 - 02h28

Comentamos em coluna anterior sobre a expectativa do aumento da abstenção na eleição deste ano, no Norte de Minas. A este respeito, estive conversando com o sociólogo Natal Padoani, proprietário da Apup, respeitada empresa de pesquisa. Este informou que os últimos levantamentos apontam que se o pleito fosse hoje, a abstenção ficaria em torno de 45%. Na última eleição este número foi de 25%. Padoani credita o resultado à pandemia da Covid-19, que tem dificultado a mobilização do eleitorado em torno da eleição. Acredita que quando começarem as campanhas, a porcentagem pode cair.

Voto rural
Havia uma expectativa de que a mobilização do eleitorado da zona rural seria o principal obstáculo para os candidatos na proporcional que disputam este voto. Pelo menos, em Montes Claros, o testemunho tem sido o contrário. Alheia à pandemia da Covid-19, os pré-candidatos, incluindo atuais vereadores, estão encontrando mais facilidade em acessar os eleitores da zona rural do que os da zona urbana. 

Coronel Chinelato
Depois de ter sido renegado durante o governo de Fernando Pimentel, o coronel Augusto Chinelato, que esteve à frente do 10º Batalhão em Montes Claros, teve seu trabalho reconhecido e valorizado pelo comando da Polícia Militar no governo Zema. No final do ano passado, Chinelado foi promovido a coronel, sendo designado, em 31 de janeiro, para comandar a 9ª RPM em Uberlândia. Em 18 de junho, foi transferido para comandar a Polícia Militar da Capital (CPMC). Nesta semana, mais uma vez foi valorizado, sendo transferido para ocupar o cargo de Chefe de Gabinete do Comando-Geral (GCG). Pelo profissionalismo e o respeito que sempre teve com as tropas que comandou, certamente alçará voos mais altos.

Promoção na PMMG
Sempre que são anunciadas promoções na Polícia Militar de Minas, aqui pelas bandas do Norte de Minas, ficamos na expectativa de que oficiais com tempo para serem promovidos sejam contemplados. Infelizmente, já há algum tempo, isto não acontece. O fato tem nos levado a continuar pensando que o Estado é dividido entre as Minas e os Gerais. 

Live
Para não ficar perdendo tempo, seria de bom tamanho que lideranças políticas, e pré-candidatos, pudessem avaliar melhor o excesso de live que vem produzindo. O resultado é que estão falando para eles mesmos. É como se estivesse injetando toucinho no porco. A sugestão que faço é que escolham um assunto que seja de interesse do público alvo e, ao mesmo tempo, façam a mobilização com antecedência. Já diziam os antigos: “Tudo que é demais, sobra”.

Publicidade
Publicidade
Comentários