Anel Rodoviário

Preto no Branco / 02/06/2021 - 00h59

Que a construção do Anel Rodoviário Norte é a principal obra para Montes Claros e atenderá a maioria dos caminhoneiros do país, que abastecem o comércio e as indústrias do Norte de Minas, não temos dúvida. O que chama a atenção é a tentativa de apadrinhamento da obra, que deve ser creditada a um movimento conjunto dos deputados estaduais da região, reforçado pela Câmara de vereadores e o aval do governador Romeu Zema. As outras lideranças que buscam holofotes em torno da obra, em nenhum momento apareceram na cena da história.

Esquerda e direita
A guerra surda que vem sendo protagonizada entre a esquerda e a direita, mais especificamente entre os simpatizantes e militantes das candidaturas do ex-presidente Lula (PT) e do presidente Bolsonaro, já apresenta prejuízo para os dois lados. O retrato do momento é que um terceiro nome, que for bem avaliado pela população, com posição de equilíbrio, poderá surpreender no pleito de 2022. Até agora, com exceção de Lula e Bolsonaro, nenhum dos outros pretendentes que apareceram tem o perfil de ser a surpresa do processo.
 
Leitura política
Em véspera de eleição é comum pessoas se manifestarem sobre o processo político, apresentando parecer do que entendem que irá acontecer. O resultado na maioria das vezes foge a realidade por ser uma visão localizada. Para conseguir uma leitura fiel do processo é necessário que busque informação das possibilidades de influência do exterior; do quadro político no país, no Estado, na região e no seu município. É o que chamamos de visão ampla do quadro político. De qualquer forma, vale lembrar que a leitura só serve para o momento.
 
Interlagos pede socorro
Não consigo entender o descaso das autoridades políticas de Montes Claros em relação à Lagoa de Interlagos, construída pelo ex-prefeito Antônio Lafetá Rebelo, numa visão futurista. O que foi construído para ser um cartão-postal da cidade acabou se transformando em motivo de preocupação de comerciantes e moradores próximos.Lixo, sujeira e o matagal tomaram conta do seu entorno. Se não bastasse, hoje mais de 50% da lagoa já foi tomada pelas tábuas. A justificativa para não resolver o problema é a alegação de que existe um ninho de Ariri no local e tem que ser preservado. Aliás, tem culpado o Ministério Público pelas dificuldades na solução.
 
Bruno Gomide
O jovem mineiro Bruno Gomide, estudante de Economia na UnB, com raízes familiares no Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha, tem aproveitado sua estadia em Brasília-DF para voluntariamente dar suporte de assessoria às lideranças da região com dificuldade em movimentação na capital federal. O resultado é que já conquistou espaço no Congresso Nacional, nos ministérios e assessores próximos ao presidente Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade
Comentários