Entrevista

Plenarinho / 07/03/2018 - 07h17

Em entrevista à rádio Terra, programa de Leandro Aguiar, o governador Fernando Pimentel começou a desenhar que daqui para frente vai enfrentar os problemas do estado e pedir soluções aos prefeitos. A pré-campanha do governador Fernando Pimentel (PT) à reeleição já está a todo vapor. Segundo interlocutores ligados ao chefe do executivo, nos últimos 20 dias, aproximadamente 200 prefeitos foram recebidos no Palácio da Liberdade por uma equipe montada para ajudar a solucionar os problemas dos municípios. 

Bloco na rua 
Na estrutura montada no Palácio da Liberdade, alguns nomes já começam aparecer como responsáveis em resgatar a confiança dos chefes do executivo. O grupo é formado por cinco integrantes do estado: o secretário de Governo, Odair Cunha, o secretário de Cidades e de Integração Regional, Carlos Murta, o presidente da Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais, Alessandro Marques, o subsecretário de Assuntos Municipais, Marco Antônio Leite, e o secretário-adjunto de Governo, Francisco Eduardo Moreira. Vão ter muito trabalho.
 
Eleição
Nas eleições extemporâneas que ocorreram no último domingo em três cidades de Minas Gerais, pelo menos em duas delas ficou claro que os velhos caciques ainda têm poder de mando. Em Campo Azul e Santa Cruz de Salinas, quase um semelhança. Nesses locais, os candidatos mais votados em outubro de 2016 para assumir os cargos tiveram as candidaturas indeferidas pela Justiça Eleitoral. E, por isso, os presidentes das Câmaras Municipais ficaram no comando das cidades até a realização do pleito.
 
Como foi 
Em Campo Azul, Júnior de Oséas (PSD) recebeu 1.686 votos, o equivalente a 53,27% dos votos válidos, e ganhou a eleição. Quem completou sua chapa como vice foi Maria Julieta (PTB), filha de Carlim de Cirilo que ganhou a eleição passada, mas foi cassado. E os eleitores de Santa Cruz de Salinas decidiram que Aline de Albertino (PPS), de apenas 21 anos de idade, filha do prefeito cassado no processo anterior vai ser a nova prefeita da cidade, e Chicão (PPS) o novo vice-prefeito. A chapa conseguiu angariar 1.764 votos, correspondente a 60,81% dos válidos. Os pais é que comandaram o processo.
 
Correndo riscos
Muitos deputados de Minas Gerais correm risco de não serem reeleitos se o processo eleitoral caminhar para muitas chapas majoritárias, visando as eleições de outubro. Com dificuldades em encontrar novas lideranças, o PSDB reza para Anastasia aceitar o risco, mas ele já está é apelando para quem insistir com ele na cabeça de chapa; o mesmo ocorre com PTB, PDT e tantos outros. Para eleger um parlamentar, o coeficiente na eleição passada era de 500 mil votos para cada um eleito, e agora da maneira que está não chega aos 300 mil.
 
De quem é a culpa?
Não tem culpado pelos estragos que aconteceram em Montes Claros com a chuva poderosa que derrubou árvores, massacrou carros, telhados, ruas e praças públicas. Com a potência que aconteceu na cidade, unindo trovões, ventos e chuvas, não tinha estrutura que aguentasse o aviso da natureza. O que interessa agora é unir os cacos para pensar em resolver muitos problemas que apareceram. Vamos ao trabalho. 

Publicidade
Publicidade
Comentários