D’elas aborda os desafios do ensino remoto

Gente e Ideias / 20/04/2021 - 00h32

Para falar sobre os desafios do ensino remoto durante a pandemia, a reitora da Funorte, a médica Raquel Muniz, que está à frente do programa D’elas, conversou com um time de primeira no último sábado (17). 

“Os desafios tanto para professores, quanto para a instituição, os pais e os alunos foram muitos. Mas o ‘novo’ normal permitiu uma nova fórmula para as aulas, que acabaram conquistando a todos por permitir a utilização de mais ferramentas”, disse Raquel.

Um dos entrevistados foi Heloi Araújo, professor do Colégio Indyu e das Faculdades Unidas do Norte de Minas e Fasi. Ele disse que a primeira mudança para se adaptar à situação foi quanto à reorganização das rotinas e espaços, pois é pai de duas adolescentes que também estavam fazendo aulas remotas. 

“Foi preciso delimitar a rotina e espaço de cada um. Nossa casa, que antes era um espaço de descanso, se tornou ambiente de estudos e trabalho praticamente em tempo integral”, conta. O professor disse ainda que a produção de materiais didáticos foi adaptada para a realidade do ensino remoto, bem como o desenvolvimento de uma nova postura didática.

Quem também participou do programa D’elas foi a pedagoga Katia Idalina Correia Santos Neves, professora do 3° ano fundamental do Impar Escola de Criança e professora do curso de Pedagogia da Funorte. Ela conta que não só ela, mas todos, foram surpreendidos pela pandemia que trouxe o isolamento social.

“Foi um susto, uma mistura de emoções: medo, insegurança e incerteza. Neste momento, percebemos que era preciso nos reinventarmos. Transformamos nossas casas em sala de aula, nos apropriamos da tecnologia como recurso fundamental e usamos toda a criatividade para continuarmos ensinando com qualidade, com amor e humanidade. Não foi fácil, não tem sido fácil, mas descobrimos que é possível. Somos professores e continuamos firmes em nossa missão. Citando Paulo Freire: ‘Educar é impregnar de sentido tudo o que vamos fazer’”.

Para o professor Claudiojanes Reis, foi uma honra participar do programa D´Elas e falar de uma temática de grande relevância na atualidade. Ele considera que o professor está em constante aprendizado e aperfeiçoamento, e este é o principal fator motivador dessa profissão.

“O cenário pandêmico acelerou o processo de mudança e de necessidade de adaptação, fazendo com que nós, professores, buscássemos alternativas para garantir a construção do conhecimento. Vários fatores estão contribuindo para avançarmos, sendo o primeiro o apoio institucional. Neste quesito largamos muito à frente, pois a Funorte já estava nos preparando e nos fornecendo estratégias para trabalharmos em um novo cenário de transformação da educação”, avalia.

Para finalizar, o professor Jairo Evangelista, da área de saúde, coordenador do curso Odontologia da Funorte, citou uma frase de Millôr Fernandes que diz: “Se você não tem dúvida, meu amigo, é porque você está mal informado”. “Todos tivemos muitas dúvidas para trabalhar com a tecnologia, telecomunicação e metodologias remotas. Foi um aprendizado para todos”, diz.

Jairo conta que a pandemia trouxe muitos desafios para o curso de Odontologia. “Foi preciso reorganizar o processo de trabalho da clínica-escola, reduzindo o número de pacientes e estamos mantendo o distanciamento com todas as medidas de biossegurança para proteger a todos. Vamos manter esse atendimento de urgência e emergência para a população que necessita”, ressalta.

Publicidade
Publicidade
Comentários