As idades e o que esperam de você

Frida e Pagu / 27/07/2021 - 06h00


Ao nascer, basta chorar e respirar. Aos 30 dias, firma o pescoço; aos seis meses, senta; com um ano, anda e principia a fala. Aos 3 anos, larga a fralda. Lê com 6 anos, nada e anda de bicicleta com 7. Os 8 anos são a idade da razão. Aos 10, estuda música e língua estrangeira.

Aos 15, a rebeldia é grande. Crítico de si, o corpo desagrada ao dono e o rosto tem espinhas. Namora, pensa no futuro e na faculdade. Aos 18 anos encontra a maioridade civil e penal, tira a carteira de motorista e vota (aos 16, voto facultativo).

A beleza física humana tem seu apogeu aos 30 anos, mas uma música antiga diz: “não confio em ninguém com mais de 30 anos”. 

Numa sociedade que, antes da Covid, a expectativa de vida era de 76,6 anos, aos 30, o sexo frágil recebeu o apelido de balzaquiana, em referência ao livro “A mulher de trinta anos” (1842), de Honoré de Balzac. Avançado para a época, é um elogio à mulher madura e o nascimento do casamento por amor.

No Brasil, os 40 anos são marcados pela chegada do etarismo. Meia idade é quando, oficialmente, começa a velhice. É difícil conseguir emprego, e a aposentadoria foi adiada para 65 anos. As portas se fecham para muitas profissões. Antes de alterar a lei, é preciso mudar a mentalidade.

Nos simbólicos 50 anos, meio século, enquanto muitos escondem a idade para fugir da discriminação e segregação, uma parte das pessoas vencedoras alardeia esse momento em grandes festas, esbanjando beleza e vitalidade. Demorou, mas a ideia de velhice está sendo empurrada para adiante.

Apesar de muitas pessoas terem se aposentado logo após os 40 anos, a maioria esperou os 60. Os sexagenários, denominação antes depreciativa, voltam a estudar, iniciando nova profissão.

Vários estão bonitos e fortes aos 70 anos. Boa parcela atinge os 80 anos, coisa comum atualmente. Chegar aos 90 anos com independência, liberdade, autonomia e privacidade são coisas a ser comemoradas, e quanto mais cedo começarem os cuidados, melhor se chegará lá, ampliando-se a possibilidade de se atingir os cem anos.

Cuide da mente e do corpo desde cedo, escolha bons pensamentos, realize-se, alegre-se, faça exercícios físicos e tenha boa alimentação. Como a vida é um sopro, façamos com que seja uma brisa fresca e duradoura.

Cuide da mente e do corpo desde cedo, escolha bons pensamentos, realize-se, alegre-se, faça exercícios físicos e tenha boa alimentação. Como a vida é um sopro, façamos com que seja uma brisa fresca e duradoura

Publicidade
Publicidade
Comentários