Recalculando rotas

Espaço do Empreendedor / 10/02/2021 - 00h21

Em tempos instáveis, o desafio é restabelecer-se! 

Iniciamos o segundo mês de 2021 e acompanhamos a abertura do ano legislativo. Sob novos comandos, a Câmara dos Deputados e o Senado Federal se encontram sujeitos à expectativa de que venham a ser aprovadas pautas urgentes e importantes, sobretudo a Proposta de Emenda à Constituição nº 186 (também chamada de PEC Emergencial), o Marco Legal das Startups (já aprovado na Câmara) e as reformas Administrativa e Tributária (PEC 45 e 110, respectivamente) – esta última sujeita a especial atenção devido à sua complexidade e à possibilidade de compilação de impostos como ICMS e ISS. 

Desta forma, é possível que tenhamos novidades que influenciarão o cotidiano dos empreendimentos no Brasil, mais especificamente das micro e pequenas empresas, em razão de sua capilaridade, volume e fragilidade diante de cenários turbulentos, como aumento do desemprego, retração da demanda por bens duráveis e, ainda, o arrefecimento de serviços como o turismo, devido aos efeitos da pandemia. 

Empresários e empreendedores concordam que uma das principais virtudes desse público é saber fazer leitura de cenário e buscar sempre “a visão além do alcance”, como bem propagado por um personagem de desenho animado dos anos 1980.

Acompanhar as tendências, os números da economia e a tramitação de emendas no Congresso Nacional são ações um tanto subjetivas, mas fundamentais para preparar a sua empresa para lidar com as imprevisibilidades do mercado e atenuar os impactos “da porteira para dentro”. 

Em conversa com empresários durante as diligências que fazemos pelo Norte de Minas, recorro sempre a um conceito, emprestado da engenharia, para gerar reflexão referente ao que está acontecendo no ambiente interno e externo às empresas. 

Aponto e sugiro uma análise “a montante” e “a jusante” do seu negócio. O que pode acontecer na “nascente” da empresa e o resultado que se desdobrará em sua “foz” permitem uma analogia com a situação atual da economia brasileira.

À luz destas reflexões e análises macroeconômicas, convido os empresários a se debruçarem sobre seus controles financeiros, planilhas de gastos e aplicações e a terem muita atenção com a energia e o foco do seu time. 

Não há fórmula mágica ou definitiva para o sucesso arrebatador em uma gestão empresarial diante da fluidez das mudanças e da transformação constante do mercado. 

Entretanto, organizar sua retaguarda e lidar com projeções de cenários vindouros devem ser movimentos regulares e permanentes da cultura organizacional, seja o caso de um Microempreendedor Individual ou um executivo de setor da área extrativista mineral no Quadrilátero Ferrífero. 

Por isso, reafirmo: conheça seus números e estabeleça indicadores. Nunca foi tão urgente e salutar estabelecer parâmetros para medir as operações do seu negócio – e verificar se estas estão evoluindo ou se desidratando lentamente. 

Se o volume de vendas cresceu, aumentou o faturamento? E a rentabilidade? Se tivesse investido o resultado (lucro líquido) em ações na bolsa de valores, qual a remuneração obtida sobre este capital?

Estamos em tempos de reformas, de ajustes nos cálculos de rota. A rota do seu empreendimento já está definida? Precisa de ajuda? É hora de movimentar-se!

 

Publicidade
Publicidade
Comentários