Empatia: o que isso tem a ver com inovação?

Espaço do Empreendedor / 24/02/2021 - 00h04

Certamente, você já ouviu falar que empatia é “se colocar no lugar do outro” ou até mesmo “enxergar o mundo” pelas lentes do outro. De fato, essas expressões estão ligadas em algum momento à prática da empatia, uma palavrinha que tem se tornado cada vez mais comum no dia a dia das pessoas e também no mundo dos negócios.

Apesar de ser muito importante, praticá-la não é fácil. Por isso, para alguns negócios, atuar com empatia pode envolver uma mudança de cultura e comportamento ao fazer negócios, algo que está diretamente relacionado ao processo de inovação nas empresas.

Empatia é a arte de compreender o outro e todo empresário/empreendedor sabe que precisa entender seus clientes. A inovação, por sua vez, se vale desta compreensão para oferecer melhores produtos e serviços. Ou seja, uma empresa que deseja inovar deve antes ter consciência de que só existe para resolver os problemas de quem recorre a ela.

Confira os pontos de partida para incluir empatia no processo de inovação do seu negócio:

- Conheça melhor o seu cliente: Não faz sentido fazer negócios baseado apenas no que você imagina que o seu cliente quer, sem avaliar realmente suas dores e os ganhos que ele pretende obter. Observe o seu negócio com o olhar do outro, converse com os clientes para colher feedbacks espontâneos, faça entrevistas e pesquisas de satisfação, promova fóruns etc. Acredite, você tem muito a ganhar ouvindo o seu cliente, pois poderá investir em soluções inovadoras.

- Junte uma equipe diversificada: Diferentes visões enriquecem o processo da inovação. Permitem ainda avaliar se mapeamos todas as fases e compreendemos de verdade os caminhos para que o cliente encontre a melhor solução para o seu problema. Chame para uma conversa seus funcionários, parceiros e quem sabe até algum cliente engajado.

- Crie um ambiente propício: Ao validar uma inovação é importante criar um espaço livre de julgamentos e estabelecer um tempo para observar cada detalhe, além de gerar uma construção visual que reflita a quantidade de ideias apresentadas. A validação permite que você economize tempo e dinheiro e verifique se a inovação é realmente significativa para seus clientes. A partir deste momento, o empresário sai do campo das hipóteses e tem as respostas necessárias para criar uma conexão entre o seu negócio e o mercado ao qual o produto ou serviço será ofertado.

Isso é importante, pois, embora cada pessoa seja única, padrões semelhantes se manifestam e se complementam, e ideias possíveis de serem aplicadas ao seu negócio vêm à tona e tornam a sua experiência ainda mais rica.

Pare agora e pense: Que tipo de vantagens e benefícios você está entregando aos clientes? O que o cliente fala e faz em relação a esses produtos e serviços? Como você poderia tornar essa solução realmente eficiente para a solução dos problemas dos clientes?

Praticando a empatia e observando de fato como seu cliente reage, levante o que será necessário para inovar e como os produtos e serviços existentes podem ser aprimorados. Em resumo, tente detectar oportunidades e ideias. Além disso, a empatia pode ser usada para guiar a aplicação de outras soluções que vão conectar você e o seu negócio ao mercado local.

Gostou dessas dicas? Que tal começar a praticar a empatia agora mesmo? Faça um teste: aborde um cliente por dia e colha informações pertinentes sobre como a sua empresa resolve os problemas dele e o que poderia ser feito para melhorar. Agende um atendimento no Sebrae Minas para saber como esses feedbacks podem ajudar na inovação em seu negócio.

 

Publicidade
Publicidade
Comentários