Velho Chico, o rio da unidade nacional

Pilar Literário / 15/01/2021 - 00h02
Tenho certa afinidade e um relacionamento de longa data com o Rio São Francisco; desde menina, no então chamado Curso Primário, chego a ver através das lembranças a professora falando sobre o Rio São Francisco, seus afluentes à direita e à esquerda, o seu nascimento na Serra da Canastra, a Cachoeira de Paulo Afonso, Casca Danta, a Usina de Três Marias e o potencial hidráulico fluvial do referido Rio. Tudo isso me fascinava e desabrochou em mim um amor incontestável pelo Velho Chico.
 
“A água doce é uma das maiores riquezas do Brasil e dos brasileiros. O nosso país possui uma imensa rede fluvial que leva água potável à nossa gente, matando a sede de toda uma nação. Desta rede fazem parte rios importantes como São Francisco, o Paranaíba, o Rio Doce, o Jequitinhonha e o Rio Grande” (Salve o Velho Chico de Raquel Muniz).
 
Dentre esses rios, o principal é o São Francisco, que tem nascente geográfica no Município de Medeiros e sua nascente histórica na Serra da Canastra. O Rio São Francisco é o rio da unidade nacional pois nasce e morre em território nacional e banha cinco Estados brasileiros: Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas e passa por 521 municípios levando vida e controlando a aridez. É um rio de importância histórica, econômica e política. Sua importância histórica: a colonização, através das Entradas e Bandeiras; Missão Religiosa. A importância econômica: aproveitamento para as hidrelétricas, condições de navegabilidade, hidrovia. Sua importância política: possibilita a fruticultura, irrigando as produções, bem como é utilizado na produção de energia em usinas hidrelétricas.
 
É o São Francisco a mais antiga via de entrada nos sertões de Minas e, ainda hoje, utilizada pela população do grande vale. No começo do seu curso, forma a bela cachoeira da Casca Danta. Continuando sua descida, pois suas nascentes ficam a mais de 1000 m de altitude, o rio São Francisco tem o seu curso interrompido por outras cachoeiras, entre as quais se destacam a de Pirapora, Sobradinho e Paulo Afonso. Nesta última, se acha instalada a primeira usina hidrelétrica do vale que beneficia a quase todos os Estados do Nordeste. Todos os rios de Minas estão classificados como sendo de planalto.
 
“Mas toda essa riqueza natural está ameaçada. O sertanejo desolado caminha onde antes corria água em abundância. O rio já não é mais fonte para sua sede, pois os rios morrem de sede, a morte assombra o Velho e tão querido Chico. As cicatrizes deixam expostas as feridas provocadas pelas nossas ações inconsequentes”. (Cartilha Salve o Velho Chico. Senador Otto Alencar - BA). 
 
Vamos salvar o Velho Chico! Ele resiste, insiste em viver e continua, generosamente, gerando vida para que eu e você desfrutemos dela! Se cada um de nós fizermos um pouquinho resgataremos para as gerações futuras esse potencial aquático!
 
Vamos salvar o Velho Chico! Ele resiste, insiste em viver e continua, generosamente, gerando vida para que eu e você desfrutemos dela! 
Publicidade
Publicidade
Comentários