Mãos de Deus - o presépio de Grão Mogol

Pilar Literário / 26/02/2021 - 00h10

Os presépios me acompanham desde a minha infância. Uma tia-avó, quando chegava dezembro, já começava a tingir papéis, tipo sacos de papel bem grandes e fortes. Ela os abria e tingia-os com uma tinta artesanal caseira feita com goma, água e carvão moído. Pintava-os com as próprias mãos com rajadas de tinta cinza dando aquela nuance de preto acinzentado. No dia 13 de dezembro, ela semeava em latas pequenas arroz com casca, que germinava como um capim verde claro e seriam dispostas entre as pedras. Na semana em que antecedia o Natal, era a hora de armar o presépio. Com aqueles papéis pintados, ela lhes dava o formato de pedras e as encostava umas às outras, às vezes do alto do telhado até ao chão donde surgia uma gruta de uma beleza incomparável. 

No interior da gruta ela dispunha a família sagrada: Jesus, Maria e José. Os reis magos vinham um pouco mais distantes para sua visita e os pastores conduzindo o rebanho. 

Fiquei perdida em encantamento quando visitei o presépio de Grão Mogol. Meu Deus!!! Quanto amor à terra natal; quanto desprendimento em forma de gratidão! 

O empresário Lúcio Bemquerer , 74 anos, na época, decidiu se aposentar em 2009. Deu por encerrada uma trajetória profissional que incluiu várias atividades. Quis voltar à sua pequena cidade, Grão Mogol, da qual se afastara, por 20 anos, sem revê-la uma única vez. 

Viveu aí até os 12 anos, mudando-se, então, para Montes Claros e, depois, para Belo Horizonte.

Desejava fazer alguma coisa por Grão Mogol, mas não sabia o quê. Queria algo capaz de trazer à lembrança, de forma perene, suas riquezas humanas, culturais e ambientais. Lúcio Bemquerer conta que em uma de suas divagações sobre o que fazer por Grão Mogol, viu que as pedreiras vizinhas à sua casa pareciam com um presépio natural. Ao que ele concluiu: “não, não parece um presépio, já é naturalmente um presépio”.

A obra em homenagem ao nascimento de Jesus está em uma área de 3.600 metros quadrados, encravada em um grande paredão de pedras. Do terreno não foi retirada e nem cortada nenhuma rocha. Foi inaugurado no dia 9 de dezembro de 2011.

São 15 personagens do presépio. Todos esculpidos em pedra sabão ou moldadas no cimento. O trabalho é assinado pelos artistas mineiros Édson Novaes e Antônio da Silva Reis. O único presépio ao ar livre do mundo levou oito meses para ficar pronto. 

Ao conhecer o presépio de Grão Mogol, o padre Bertram Pricelius, da Arquidiocese de Berlim, garantiu que é o maior do mundo, sem contar o fato de ser permanente e a céu aberto. 

O Presépio Mãos de Deus fortalece a fé dos cristãos, o turismo regional e estimula a economia. E, para mim, foi uma grande emoção trazendo as reminiscências de minha infância tão celebrada no mês de dezembro com a chegada do presépio.

Publicidade
Publicidade
Comentários