Golpistas nada virtuais

Editorial / 13/01/2021 - 00h01

A ação de estelionatários é conhecida desde que o mundo é mundo. São aqueles “espertalhões” que sempre acham que podem se dar bem na vida às custas do prejuízo e do sofrimento do outro.

E nem mesmo um momento de pandemia, que representa estresse, dor e angústia para milhões de pessoas impedem esses falsários de agir. Pelo contrário, é nesse momento de fragilidade que eles aproveitam para roubar, extorquir e levar vantagens.

E não precisam nem ver a cara da vítima. Não precisam de arma ou muita lábia para enganar o escolhido.

O mundo digital é o palco para os criminosos, que encontraram no virtual mais maneiras de atuar.

Esse tipo de crime cresceu 37% em Montes Claros no ano passado, enquanto outras modalidades, como roubo de celulares, de carros e violência doméstica caíram. 

Dado alarmante, que chamou a atenção da Polícia Civil. A corporação alega que, graças à atuação de setores da inteligência, foi possível chegar a vários desses criminosos.

Mas ainda é preciso mais. E é preciso que o cidadão redobre os cuidados antes de fazer transações pela internet. Desconfie sempre, porque se aproveitar do descuido do outro tem sido a escolha de muitos seres humanos.

Não repassar dados bancários, dados pessoais, desconfiar de propostas muito atraentes, com muitos descontos e vantagens para o consumidor. Tudo isso é fundamental para escapar das garras dos malfeitores. 

Mas, se acabar caindo na armadilha deles, é preciso buscar ajuda nos órgãos de segurança. Registre ocorrência, apresente o máximo de detalhes e informações que poderão ajudar na investigação. 

A atencãotem que ser ainda maior com os idosos, vítimas preferidas dos estelionatários.

Publicidade
Publicidade
Comentários