Devedor em risco

Editorial / 30/06/2018 - 07h45

Quase 28% dos montes-clarenses ainda não quitaram o licenciamento de automóveis de 2018. Em todo o Estado, o número de inadimplentes chega a 3,4 milhões. Não pagar os impostos, além de implicar em grande dor de cabeça para o condutor, que pode ser multado, perder pontos na carteira e ter o carro recolhido, significa deixar mais minguados ainda os cofres públicos dos estados. Só com os não pagantes de Montes Claros, a maior cidade do Norte de Minas, a receita estadual deixa de arrecadar até agora R$ 24,7 milhões.

A caça aos motoristas inadimplentes tem início neste domingo, quando as autoridades de trânsito começam a cobrar, em blitz, a documentação em dia para os proprietários de carros com placas finais 1,2,3,4 e 5. Os demais carros, com placas terminadas em 0, 6, 7, 8 e 9, passam a ser fiscalizados a partir de 1º de agosto, data-limite para estar em dia com o documento.

Portanto, para quem ainda não quitou os impostos, não vale arriscar. O custo e o desgaste são bem maiores caso o condutor irregular seja flagrado em uma fiscalização. A multa é de R$ 293,47 e o carro é recolhido, deixando o motorista a pé.

Vários podem ser os motivos para deixar de pagar o imposto, ainda mais em tempos de crise econômica, em que famílias enfrentam o desemprego e a inflação. Mas, quando se adquire um carro, é preciso entender que mantê-lo implica em custos com impostos e manutenção. Essas despesas devem ser incluídas nas planilhas orçamentárias da família. Os recursos são utilizados para ações no Estado que, no caso de Minas, enfrenta uma grande crise financeira.

Inadimplência no pagamento de impostos para licenciamento de veículos chega a R$ 24,7 milhões em Montes Claros

Publicidade
Publicidade
Comentários