Consciência sustentável

Editorial / 12/11/2021 - 00h02

A Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 – COP26 tem seu encerramento oficial previsto para hoje (12). Espera-se que os encontros para cuidar do meio ambiente e fazer as decisões tomadas pelos diversos países que se sentaram à mesa de negociações funcionem.

Leis e políticas públicas são fundamentais, mas sem uma consciência sustentável de toda a humanidade, todas elas podem se tornar ineficazes. É fato que as empresas poluem e são tidas como as grandes vilãs, junto ao desmatamento. Mas elas só poluem porque produzem muito e produzem muito porque encontram público para consumir.

É esse consumismo desenfreado que tem provocado a maior parte dos problemas ligados à sustentabilidade, ao meio ambiente. Prova disso são as toneladas e toneladas de material plástico que aportam nas costas da Ásia, as toneladas de comida que se perdem e que poderiam alimentar incontáveis famílias pelo mundo, sem contar a montanha de roupas que se acumula no deserto do Atacama, no Chile.

Simplesmente surreal ver todas aquelas roupas se perdendo ao sol, fruto de sucessivas coleções, quando milhares passam frio. Quanto à população mundial, se não se construir uma consciência coletiva e sustentável, as leis continuarão sendo ineficazes, os encontros para tratar das camadas de ozônio, do aumento das temperaturas, da escassez da água e todas as leis que o homem for capaz de produzir se tornarão insustentáveis, como a consciência humana.

Adquirir apenas aquilo que irá de fato consumir já não é mais uma questão de economia, se transformou em questão de respeito. Não apenas respeito pelo planeta, mas pelo outro, por toda a vida na Terra, respeito por si mesmo.

Enquanto pensarmos e agirmos como seres irracionais, movidos apenas pelo consumo e donos de consciências insustentáveis, o buraco da camada de ozônio continuará aumentando, as temperaturas se elevarão mais e mais e a água se tornará tão rara que acabaremos todos morrendo de fome e de sede, em uma montanha de roupas e envoltos em um mar de lixo plástico. 

Publicidade
Publicidade
Comentários