Cômico e trágico

Direto de Brasília / 30/03/2018 - 07h31

A princípio pode até ser só uma brincadeira, mas o polêmico ator Alexandre Frota foi convidado pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) para ser ministro da Cultura, caso o parlamentar seja eleito presidente da República. Frota se tornou um dos mais ativos cabos eleitorais do pré-candidato a presidente, e postou em seu Twitter, nesta quarta-feira, um vídeo em que Bolsonaro diz o seguinte: "Se você quer me ver presidente um dia eu quero te ver ministro da Cultura. Já imaginou, cara!". 

Prisão humanitária
Preso na Papuda, em Brasília, desde dezembro passado, o deputado Paulo Maluf (PP-SP) conseguiu autorização do Supremo Tribunal Federal para cumprir prisão domiciliar. Na decisão, o ministro Dias Toffoli afirma que a defesa de Maluf apresentou documentos que comprovam que o deputado "passa por graves problemas relacionados à sua saúde no cárcere".

Setor público no vermelho
De acordo com o Banco Central, as contas do setor público (União, Estados e municípios) ficaram no vermelho em R$ 17,4 bilhões em fevereiro. Segundo relatório divulgado nesta quarta-feira, apesar de o resultado ser deficitário, o rombo foi menor do que o registrado no mesmo mês de 2017 e 2016. O governo central (formado pelo governo federal, Banco Central e Previdência) teve déficit de R$ 19 bilhões, o que foi compensado pelo resultado positivo dos governos regionais (estados e municípios), que tiveram superávit de R$ 2 bilhões.

Conselho de segurança
O Brasil voltará a ocupar uma vaga rotativa no Conselho de Segurança da ONU em 2022, dez anos antes do que estava previsto. O país fechou um acordo com Honduras, que iria se candidatar para o biênio 2022-2023, mas cedeu sua "vez" para o Brasil. Com isso, o Itamaraty conseguiu corrigir um descuido que tinha levado o país a ficar fora do Conselho de Segurança até 2033, por não ter apresentado candidatura nos últimos anos. Em dezembro de 2011, durante o governo Dilma, decidiu-se não apresentar nova candidatura do Brasil ao CS e o país só voltou a se candidatar em maio de 2015. Mais alta instância da ONU, o Conselho tem como objetivo cuidar da segurança e da paz no mundo.

Novo viaduto
O governo do DF decidiu que todo o viaduto do Eixão Sul sobre a Galeria dos Estados será demolido para depois ser reconstruído. Em fevereiro, duas das seis faixas desabaram. Uma licitação será aberta para contratar uma empresa ou um consórcio para tocar a restauração. A previsão é de que a intervenção custe R$ 15 milhões. A promessa é de que a obra seja entregue até setembro.

Publicidade
Publicidade
Comentários