Pró-Lula, pró-ficha

Coluna Esplanada / 03/04/2018 - 00h43

Nas entranhas dos poderes, o acordo é livrar Lula da prisão hoje no habeas corpus, cujo mérito será julgado pelo plenário do STF. Mas há um preço: ele não deve ter liminar no Tribunal Superior Eleitoral para disputar a eleição. Em suma: sai o HC, mas não cai a Ficha Limpa. Com a condenação confirmada pelo TRF 4 em 2ª instância, Lula está fora das urnas. Porém, o eventual HC não beneficia apenas Lula e coloca o STF na mira do povo. Abre caminho para livrar da cadeia penca de políticos enrolados. 

Precedente
Não é de hoje que os Poderes fazem acórdão de interesses partidários. Foi caso do impeachment de Dilma no Senado. Ela perdeu o poder, mas manteve direitos políticos. 
 
Memorial da Corte
Marco Aurélio é primo de Collor; Gilmar e Toffoli foram AGU de FHC e Lula, respectivamente. Alexandre de Moraes entrou com bênçãos de Aécio Neves. 
 
Ou seja
Com exceção de FHC, os outros políticos estão na mira do STF e na rota do camburão. 
 
EXTRA
Convidado para palestra pelo Tribunal de Contas de Rondônia, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, é relator na corte de Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 3.889, na qual o TCE é parte intimada na ação protocolada pelo governo do estado. A ação versa, em suma, sobre retenção de IR na folha de pagamento. 
 
Opção Meirelles
Após revés do presidente Michel Temer, com a prisão de amigos e outro escândalo que atinge o governo, cresceram as apostas em Henrique Meirelles como provável candidato do Planalto. Ele pode se lançar pelo seu PSD, com um vice do MDB.
 
Te cuida, Fachin
Além da Lava Jato no STF, o ministro Edson Fachin, que revelou ser alvo de ameaças, também relata as ações na corte contra o fim do imposto sindical. Questão bilionária. 
 
Patriotismo 
Às 22h de quinta, dia da operação que prendeu amigos de Michel Temer, policiais e delegados federais ainda se debruçavam sobre a papelada apreendida na sede em São Paulo. 
 
Integração..
De saída do comando do Ministério da Integração Nacional para disputar o governo do Pará em outubro, Helder Barbalho (MDB) direcionou mais de 60% da agenda para o estado ao longo de março. 
 
..Em casa
Às vésperas de deixar o cargo, o qual assumiu em maio de 2016, Helder caprichou no envio de recursos para execução de obras, entrega de títulos de regularização fundiária e outros programas do governo federal, como Minha Casa Minha Vida. 
 
Curto-circuito
Sindicatos fazem corpo a corpo para evitar que eletricitários entrem no plano de demissão consensual da Eletrobras. “Os únicos que ganham com planos de demissões são acionistas que recebem dividendos”, diz o dirigente da Associação dos Empregados de Furnas, Felipe Araújo. 
 
R$ 12 bi 
A MP que autoriza a privatização da Eletrobras e de suas subsidiárias tramita atualmente em comissão especial no Congresso. O governo espera arrecadar com a operação R$ 12,2 bilhões.

Publicidade
Publicidade
Comentários