Bronca geral

Coluna Esplanada / 04/09/2020 - 00h02

Choveram ligações de industriais e do alto patronato para a mesa do presidente Jair Bolsonaro, na quarta-feira, quando a turma do andar de cima confirmou que o Ministério da Saúde classificara o coronavírus como doença ocupacional. Os jurídicos das empresas entraram em desespero, tamanha seria a enxurrada de ações trabalhistas país adentro. Bolsonaro telefonou para o ministro Pazuello, e mandou revogar. A bronca foi geral.

Caneta política
A Coluna cantou dia 27 de julho que o presidente não avalizaria a renovação do ajuste fiscal do Estado do Rio com Wilson Witzel no cargo. A papelada será assinada.
 
Corte acima
Pelo menos quatro ministros do Superior Tribunal de Justiça bajulam, no juridiquês, o presidente Bolsonaro.
 
Sentiu
Piada pronta no DF: secretário de Saúde preso por suspeita de fraudes em testes rápidos, Francisco Araújo pediu transferência do presídio da Papuda por medo da Covid-19.
 
Boleto...
Agora que a posse do Palácio Guanabara não está sub judice mais, com a decisão do STF após mais de um século de impasse, será que a União, a dona de fato, vai cobrar aluguel do governo do Estado do Rio de Janeiro? A Secretaria de Patrimônio da União, responsável pelo imóvel, analisava nesta quarta-feira o caso, questionada pela reportagem.
 
...histórico
O processo judicial, que tinha como parte a Princesa Isabel, pedia reconhecimento e indenização para a família real, pela perda do Palácio Guanabara em 1889, devido à Proclamação da República. Malhete batido, é do governo federal.
 
Perderam
Quatro herdeiros diretos da Princesa Isabel eram partes no processo – um deles como advogado – para requerer a herança. O Palácio vale, hoje, centenas de milhões de reais.
Esperança no ar
Ainda há esperança, e a dica ficou com a resposta do Ministério da Defesa à Coluna: apesar de cancelada na Esplanada, o Palácio avalia como será a festa do 7 de Setembro, para não passar batida. Brasilienses querem ver a Esquadrilha da Fumaça.
 
Ah, novato
Morreu na praia de Boa Viagem a candidatura do deputado federal Túlio Gadelha (PDT) a prefeito do Recife. O presidente nacional do partido, Carlos Lupi, desembarcou na cidade e adiou a convenção que o alçaria à disputa. Lupi ainda bateu ponto no Palácio das Princesas, sede do Governo de Paulo Câmara, do PSB – aliado do PDT.
 
Frevo combinado
A aposta é que até dia 8, na nova convenção, o PDT frite o novato na política. Quem conhece o frevo já crava que Lupi rifou Túlio – que continuará, por ora, conhecido apenas como namorado da Fátima Bernardes. No próprio PDT, correligionários antigos dizem que ele não tem mão calejada para o peso da caneta municipal.
 
Ano perdido
Um empresário do setor de concursos e TI ofereceu ao governo do DF em 2015 um software inovador para aulas on-line na rede pública. Ninguém deu atenção. Hoje, com evasão escolar, vê-se o esforço dos professores e autoridades para salvar o ano.
 
Não é bem assim
Opositores do prefeito Cláudio Chumbinho, de São Pedro da Aldeia (RJ), espalharam que ele cortou salário de comissionados pré-candidatos a vereadores, de outros partidos, em retaliação. Balela. Pela lei, todos foram exonerados para disputar a vaga na eleição.

 

Publicidade
Publicidade
Comentários