A arte de reinventar

Coluna Esplanada / 20/04/2021 - 00h08

A Covid-19 chegou como um tsunami, varrendo tudo, carregando vidas, a saúde dos que sobrevivem ao vírus e, ainda, a saúde financeira do mundo. No Brasil, a curva do desemprego, que já andava alta, atingiu índices alarmantes, com o dólar nas alturas, combustível quase a R$ 6, gás subindo mês a mês e a inflação galopante, a curva da economia beirou o zero. Nesta esteira de notícias ruins, só restou aos empreendedores dos mais diversos setores se reinventarem para sobreviver a tantas pedras pelo caminho.

Para superar as perdas ou evitá-las, cada setor foi em busca de novas ferramentas que os aproximasse dos clientes, mantendo-os no mercado. Alguns deixaram o mundo físico e passaram a atuar apenas no mundo virtual, buscando nas tecnologias e, principalmente, nas redes sociais um suporte para prospectarem clientes e atingirem vendas. 

Outros, mesmo tendo se mantido no mundo “físico”, se aliaram às tecnologias e buscaram em ferramentas como drive-thru, formas e fórmulas novas para atingirem seus objetivos. Mas todos são unânimes em afirmar que a arte de se reinventar não é das mais fáceis, posto que muitos já tinham suas fórmulas de sucesso que os levaram a se destacar no mercado.

Fato é que nenhum dos setores da economia, não apenas brasileira, mas mundial, não ficaram incólume às instabilidades provocadas pela pandemia, alguns menos, outros mais, mas todos precisaram se adaptar ao “novo” normal, sempre em busca de levar ao reaquecimento da economia, devolvendo-a aos trilhos de outrora. 

Alguns setores, como o agronegócio, têm conseguido êxito, mas a maioria tem passado por altos e baixos, enfrentado árduas batalhas. Os pequenos e médios empreendedores foram os mais abalados pela atual realidade da economia e, talvez por isso, têm buscado ser os mais criativos possíveis, usando tanto ferramentas atuais e tecnológicas, como outras mais antigas, como sair às ruas em carros e bicicletas anunciando seus produtos, seus serviços e outros tantos, usando do lúdico para atingir seu público e atrair atenção. 

Agora, é torcer para que essas reinvenções os ajudem tanto a sobreviver aos percalços impostos pela pandemia quanto promoverem o aquecimento da economia, e garantirem o sustento de um sem número de famílias.

Publicidade
Publicidade
Comentários