A pandemia provocada pelo novo coronavírus acelerou o mercado de bicicletas e acessórios em Montes Claros. Sem academias e clubes, fechados por muito tempo e reabertos há alguns meses, mas com várias restrições, a opção foi buscar pelas magrelas para manter a atividade física em dia. Além disso, há também procura das bikes para trabalho, em função do aumento da demanda por delivery.

A busca é intensa e tem gerado até lista de espera para compra do equipamento, manutenção e acessórios. A falta de peças tem sido grande, com uma demora significativa para chegada pelos Correios.

Com a maior procura, os preços subiram, exigindo investimento maior de quem quer entrar para essa trupe. A alta do dólar nos últimos meses também impactou nos valores: até 20% mais salgados.

Há 44 anos no mercado, a loja RC Bike, no Centro de Montes Claros, tem mantido uma lista de espera desde o começo da pandemia. 

O proprietário, Ricardo Lúcio de Carvalho Nobre, afirma que as vendas mais que dobraram neste ano. “Devido ao fechamento de quase todos os setores no início da pandemia, como as academias, bares, clubes, restaurantes, a procura pela bicicleta teve um aumento bem significativo. Em comparação ao ano de 2019, pode-se dizer que mais que dobrou. Algo realmente surreal”, avalia Ricardo.

Segundo ele, as peças são encontradas com dificuldade. “Mesmo as que compramos uma certa quantidade, têm chegado em número significativamente menor”, diz. Ricardo lembra que, desde o começo da loja, há 44 anos, trabalha com o serviço de delivery, uma forma de manter a interação com os clientes. 

TODAS AS IDADES
“A procura tem sido para pessoas de todas as idades. Temos senhoras na faixa dos 77 anos subindo a serra com muita tranquilidade, cada um no seu ritmo. E as crianças também, a partir de 9 anos, já nos acompanham em alguns circuitos”, fala Ricardo.

Adepto do ciclismo para deslocamento e também como esporte, Ricardo deixa uma dica. “A bicicleta, por si só, já lhe proporciona uma interação com as pessoas e com a natureza. Tudo que você fizer de bom para seu corpo, vai te deixar de bem com a vida”. 

NOVO CICLISTA
Um dos novatos nas atividades com a magrela, Maycon Roberto Santos, de 46 anos, adquiriu a bicicleta durante a pandemia. “Foi mais difícil comprar a minha bicicleta durante a pandemia pela alta procura no mercado. Por ser iniciante, tinha dúvidas quanto a valores e peças mais adequadas. Todo o processo foi feito por meio de um amigo que me ajudou a escolher tudo e ainda a comprar dentro do preço. Foi sorte ter comprado uma bicicleta boa e com preço bom para ingressar nesse esporte que estou gostando bastante”, explica.

Para Maycon, a união entre os ciclistas é muito interessante. “Todos se ajudam e têm um cuidado muito grande com o meio ambiente. Estou muito feliz e vou dar segmento, porque é algo que está me fazendo bem, mais feliz e mais saudável”, pontua.