O Ministério da Saúde informou nesta quarta-feira (25) que iniciará, na segunda quinzena de setembro, a aplicação da dose de reforço da vacina contra a Covid-19.

O reforço será destinado, inicialmente, a “todos os indivíduos imunossuprimidos após 28 dias da segunda dose e para as pessoas acima de 70 anos vacinados há seis meses”.

A decisão pela aplicação da terceira dose foi tomada de forma conjunta na noite de terça-feira (24), em reunião da pasta com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) e a Câmara Técnica Assessora de Imunização Covid-19 (Cetai).

Segundo o ministério, a imunização deverá ser feita, preferencialmente, com uma dose da Pfizer ou, de maneira alternativa, com a vacina de vetor viral Janssen ou AstraZeneca.

Também foi decidido, durante a reunião, que haverá redução do intervalo entre as doses da Pfizer e AstraZeneca, de 12 para 8 semanas, também a partir de setembro, para toda a população.

A secretária de Saúde de Montes Claros, Dulce Pimenta, informou que o município já estava aguardando algum pronunciamento do Ministério da Saúde sobre isso.

“Logo que publicarem a definição, porque tem que haver uma publicação oficial, o município estará preparado para atender essa deliberação”, garante a secretária. É preciso também o envio de doses destinadas a esse fim.

Segundo Dulce, em Montes Claros são cerca de 23.200 pessoas acima de 70 anos cadastradas. Já o público de imunossuprimidos gira em torno de 8 mil a 10 mil pessoas, dentro de um total de 24 mil com comorbidades. A estimativa, então, é a de que aproximadamente 30 mil pessoas recebam essa terceira dose nesse primeiro momento.
 
AVANÇO 
Nesta quarta-feira, em Montes Claros, os jovens de 23 anos ou mais sem comorbidades começaram a ser vacinados. A longa fila no walk-thru da Praça dos Esportes não desanimou os “novinhos”, que dividiam o espaço com pessoas que buscaram a segunda dose da AstraZeneca, cuja aplicação foi retomada também nesta quarta-feira após dois dias de suspensão por falta do imunizante. 

“Estou muito feliz com a chegada da minha faixa etária para vacinação. Foram quase dois anos esperando esse momento. Planos e sonhos foram adiados e vejo como uma abertura de portas novamente. Tenho certeza que não só eu, mas todas as pessoas, estão felizes nesse dia. Sem dúvida, uma sensação de proteção, mas também a certeza de que devemos continuar com todos os cuidados”, diz Vinícius Monção, de 23 anos, que recebeu a dose da Pfizer.