O primeiro dia de retorno das atividades no comércio, em Montes Claros, mesmo que gradual, já provocou mudanças na movimentação nas ruas da cidade. Mais carros, mais gente e portas abertas para receber os clientes. Os lojistas alimentam a expectativa de que as vendas sejam retomadas rapidamente e contam com a responsabilidade da população para que o Executivo não recue. 

O decreto municipal autorizou, de imediato, a retomada de 15 atividades, que vão de vestuário a atendimentos clínicos. No dia 4 de junho uma nota etapa se inicia, com outros setores sendo favorecidos.

Mânia Aquino trabalha no ramo de alimentação e tem unidades no Centro e no shopping. Com o fechamento temporário do mall, ela investiu na montagem de uma cozinha e apostou no delivery como alternativa. 

Posteriormente, foi autorizado o drive thru, e ela aderiu ao sistema, sem deixar de lado a divulgação dos produtos pela internet. As duas alternativas de venda seguraram o negócio. 

“Posso dizer que, com a abertura ao público, as vendas hoje (ontem) já aumentaram entre 10% e 15%. O decreto chegou em boa hora. Temos a pandemia, mas entendo que, com os cuidados, podemos avançar no atendimento no local”, afirma Mânia. 

Ela diz que algumas pessoas não se preocupam com a situação, com a necessidade de prevenção e querem entrar na lanchonete de qualquer maneira. “Nós estipulamos o limite de dez pessoas por vez, abrimos apenas uma das portas para controlar a entrada e disponibilizamos grande quantidade de álcool em gel em todos os balcões”, diz a empresária.

O ramo de calçados também já havia sido autorizado para atendimento no sistema drive thru, mas abrir as portas aos clientes trouxe estímulo e esperança à empresária Luciana Drummond.

“Assinei o termo de compromisso proposto pela prefeitura, colocamos na porta da loja as regras para adentrar ao local e hoje (ontem) nós já recebemos clientes e fizemos venda. A sensação é muito boa. Apesar de toda insegurança e incerteza do momento, estou otimista. Abrimos, fizemos uma oração e acreditamos na consciência e boa vontade das pessoas para continuarmos atendendo com responsabilidade”, declara.

Na avaliação de Luciana, o comércio já havia registrado uma queda antes mesmo da pandemia. Ela diz que não comprou novas mercadorias, mas tem trabalhado bem com o produto que já tinha em estoque.

“No Dia das Mães conseguimos entregar muitos produtos, mas o ano havia começado meio tímido se comparado a 2019. Depois dessa situação, acho que vai haver uma mudança e as pessoas vão consumir de maneira mais consciente. Mas não dá para retroceder nas vendas pela internet. É uma nova realidade e vamos manter este tipo de serviço”, revela a empresária, que está um pouco assustada com a movimentação das pessoas nas ruas.

“Mesmo antes de abrir as portas notei que tem muita gente na rua, apenas observando, passeando. Isso me impressionou um pouco”, avalia Luciana.

Para reduzir os custos, ela suspendeu temporariamente o contrato de colaboradoras, que só retornarão em 20 de junho. Neste momento, conta com a ajuda da família para atender a clientela.

Mas mesmo com autorização, alguns profissionais optaram por aguardar o desenrolar dos acontecimentos e, por precaução, manter as atividades suspensas.

“Nosso atendimento já é agendado desde antes dessa situação. Como a maioria é de procedimentos estéticos, achei conveniente aguardar mais um pouco. Percebi que os clientes também estão entendendo e respeitando essa opção. Aqueles que têm uma necessidade mais urgente, tenho mantido contato. O vírus está circulando e acho prudente aguardar mais um tempo”, diz a fisioterapeuta Janaína Barros, que está em isolamento social e tem familiar no grupo de risco.

Montes Claros registra 49 casos confirmados de Covid-19. Ontem foram confirmados dois: uma mulher de 35 anos que apresentou sintomas no início deste mês e já está curada. Outra, de 75 anos, apresentou sintomas em março e está em monitoramento juntamente com a família