No dia em que o racionamento começou a valer em Montes Claros, a tão esperada chuva – que pode recuperar o nível dos reservatórios da região – chegou, mas não foi um alento para a população. O temporal, apesar de não ter sido em grande volume e nem ter durado muito tempo, provocou estragos na cidade e gerou prejuízos para moradores e os cofres públicos.

Casas foram invadidas na Vila Grace, o asfalto recém-aplicado no bairro Vila Real foi destruído e o canal que está sendo construído no Córrego do Bicano, na avenida Vicente Guimarães, teve parte das intervenções danificadas pela força das águas.

Segundo o Corpo de Bombeiros, apesar dos diversos chamados, não há registro de feridos e desabrigados. 

De acordo com o 5º Distrito de Meteorologia de Montes Claros, choveu 17,6mm no domingo, volume que não é considerado alto. “O temporal não foi distribuído de forma igual em toda a cidade, sendo mais intenso na região Sul”, explica Célio de Castro Barbosa, responsável pela estação climatológica. Essa concentração seria a responsável pelas inundações, como se fosse uma tromba d’água. Em todo o mês de novembro a estação registrou 74,9mm de chuva na cidade. Neste ano, de acordo com dados do Distrito, ocorreram outras três tempestades: em 5 de fevereiro, 15 de março e 1º de novembro.
 
PROBLEMAS
As ocorrências se concentraram nos bairros Cristo Rei, Alterosa, São Judas Tadeu e Vila Campos, e, em menor escala, nos bairros Antônio Pimenta e Vila Real, segundo o 7º Batalhão de Bombeiros Militar de Montes Claros.

No entanto, o grande volume de água que tomou conta do canal do Córrego do Bicano, na avenida Vicente Guimarães, assustou os moradores do bairro Morado do Sol.

Por volta das 20h de domingo, a força das águas praticamente destruiu todo o serviço de compactação das obras de recuperação e adequação do canal, trabalhos orçados em R$ 19,8 milhões. Há o temor de que o problema, que já havia acontecido em 1º de novembro, inviabilize a conclusão da obra em junho de 2020.

O secretário de Infraestrutura e Planejamento Urbano de Montes Claros, Guilherme Guimarães, garantiu que os serviços no canal serão refeitos sem prejuízos para a administração municipal. (Colaborou Márcia Vieira)

Leia mais:
Asfalto perdido e Ateneu sem muro