Quase a metade dos empreendedores brasileiros são mulheres, sendo que quatro em cada dez delas começam os negócios sem capital. Em Minas, elas são responsáveis por 22% das empresas e o número de mulheres donas do próprio negócio vem crescendo com a pandemia. Há uma estimativa de que a expansão tenha sido de cerca de 40% nesse período.

No entanto, o caminho trilhado por elas não tem sido nada fácil. O acesso ao crédito é um dos principais problemas e a solução encontrada por muitas passa pela união e a solidariedade. Além disso, o rendimento das empreendedoras ainda é menor que o dos homens (61% ganham até um salário mínimo), segundo dados do Sebrae.

Nesta sexta-feira é celebrado o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino, data considerada importante para se chamar a atenção para a necessidade de valorizar as iniciativas desse público, que tem gerado renda e criado empregos ao assumir o protagonismo no mundo dos negócios.

Mirando este crescimento de empreendedoras mulheres, a Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Minas Gerais (Federaminas), está criando Câmaras da Mulher no Estado.

Serão 40 unidades, uma delas em Montes Claros, com a proposta de estimular a comunicação e a troca de conhecimentos e experiências gerados nesses espaços dedicados às mulheres de negócio.

Em Montes Claros, a iniciativa contará com a participação da Associação Comercial, Industrial e de Serviços da cidade (ACIMOC). A ação será anunciada e oficializada na próxima sexta-feira (26).
 
FALTA DE APOIO
Presidente da Câmara da Mulher em Montes Claros, Ariane Galdino diz que a cidade possui um grande número de mulheres donas do próprio negócio e, geralmente, sem orientações e suportes para administrá-los.

A Câmara da Mulher de Montes Claros foi criada há dois meses e é um braço da ACI. Ariane ressalta que a estrutura não nasce para dividir homens e mulheres, mas vem para dar mais representatividade a elas.

“Servirá para gerar possibilidades de troca de ideias, feira de negócios, eventos de capacitação, acolher a mulher empreendedora mesmo”, destaca.

Apesar de a “inauguração” oficial ocorrer apenas na próxima semana, Ariane diz que a Câmara já está consolidada em ata na ACI e que é formada por um grupo de 11 diretoras, todas voluntárias, que possuem ou uma indústria, um comércio ou são prestadoras de serviço, possibilitando a união e representatividade de vários nichos de mercado para favorecer a troca de conhecimentos e valores entre elas.

“A Câmara servirá para organizar workshops, treinamentos, cursos, rodas de negócio, networks, palestras, painéis, discussões sobre economia, crescimento e fazer uma troca de conhecimento que a mulher empresária necessita”, afirma a vice-presidente da entidade, Jacyala Mendes Ferreira.

Segundo ela, o grupo irá ajudar a buscar soluções empresariais para as mulheres empreendedoras.

Responsabilidade social em pauta
Nesta semana, a Câmara da Mulher de Montes Claros já realizou um workshop para orientar as empreendedoras sobre ações de Natal. Com o tema “Prepare sua vitrine e promova solidariedade”, o evento aconteceu na última terça-feira.

A gerente de loja Ana Paula Ferreira se inscreveu para participar do curso em busca de mais conhecimento sobre as demandas do comércio. “Espero um melhoramento e um alto conhecimento, passando assim mais credibilidade no mercado”, afirma.

Com o lema “Por Todas e Para Todas”, a Câmara da Mulher de MOC já se prepara para oferecer mais cursos. Além disso, haverá ações de responsabilidade social segundo Letícia Novato, responsável por essa área.

Ela explica que essa diretoria serve para implementar projetos sociais e de gestão, mantendo relacionamentos com parceiras, mobilizando e articulando a comunidade para propiciar e fomentar o desenvolvimento social do empreendedorismo feminino.