Além da precariedade das instalações elétricas do Mercado Municipal e da falta de um plano contra incêndios, O NORTE constatou que a energia utilizada nas barracas e no galpão vem de um “gato” – energia “roubada” de outra rede – feito na rede da Prefeitura de Montes Claros. Com isso, quem paga pela energia consumida no local é o município.

Além de não ser uma situação justa, pois quem acaba pagando por esse gasto é o cidadão, as ligações clandestinas também aumentam os riscos de acidentes.

E, de forma surpreendente, a situação foi confirmada pelo gerente do Mercado Municipal, Paulo Alkimim. Com absoluta tranquilidade, ele admitiu a existência de ligações clandestinas no centro comercial.
“Gato tem, o famoso gato. Mas o gato, quando é realizado por um profissional que sabe fazer, não tem risco. Tem risco quando é feito por quem não sabe fazer. Porque aí o prejuízo maior é o consumo de energia da rede pública”.

Paulo Alkimim disse que não tem como avaliar quanto custam as ligações clandestinas. “Porque essa conta é paga lá na prefeitura”, explicou.

Como de costume, O NORTE procurou a Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Montes Claros, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.
 
INCÊNDIO 
Sobre a falta do projeto contra incêndios, Paulo Alkimim informou que ele está em implantação. “Mas há uma série de exigências do Corpo de Bombeiros que temos que regularizar”.

Questionado sobre quantas pessoas estariam ão expostas a um possível sinistro, Alkimim deixou claro que não sabe precisar quantos trabalham no mercado. “Temos 350 bancas, apesar de o fator de risco não ser igual em todos os ambientes, porque é claro que aqui dentro do mercado tem alguns setores em que a propagação do fogo seria mais fácil. Mas o que quer o Corpo de Bombeiros, que é o treinamento, isso já foi feito. E vamos comprar alguns equipamentos que estão faltando para os hidrantes. Estamos andando para cumprir o que prevê o projeto”, garantiu.

Feirantes pedem mais estrutura ao prefeito
Paulo Alkimim lembrou que a administração e comerciantes já passaram por um susto há pouco tempo. “Chegaram aqui dizendo que estava pegando fogo. Fomos lá, mas, na realidade, ocorreu uma sobrecarga, ou seja, uma pessoa que tem uma lanchonete ligou congelador, muitas máquinas, aí começaram algumas chamas, porque a rede tem uma capacidade. Mas o gerente não pode dar conta de tudo, a responsabilidade tem que partir de cada comerciante”, ressaltou.

A situação foi controlada, mas foi um sinal de que situações mais graves podem acontecer. O que deixa muita gente que trabalha no local com medo. 

É o caso de Maria de Fátima Alves Fischer, feirante há 27 anos no Mercado Municipal de Montes Claros. “Temos apenas a proteção de Deus, e mais nada”. Emocionada, lembrou o sonho da filha. “Ela me disse que sonhou que o mercado estava pegando fogo e que eu estava lá longe, distante da porta. Ela me chamava: ‘vem mãe, vem mãe, corre mãe’, enquanto o fogo estava ao redor. Isso é só um sonho amado, é só um sonho, mas serve de alerta. Como eu vou correr?”.

DEVER
Maria de Fátima explica que o mercado é seu ganha-pão e que tem que ficar ali. “Nós gostaríamos muito que o Humberto (Souto), que é autoridade máxima, nosso prefeito, nos ajudasse, porque a mesma cobrança faríamos se outro candidato ganhasse. Mas, como ele ganhou, então tem o dever de nos dar um lugar seguro para trabalhar. A segurança para nós aqui deve ser a máxima, porque eu, pelo menos, me sinto insegura aqui”, afirma. Por fim, arrematou: “o senhor está vendo aí, os hidrantes não têm mangueira, muita fiação exposta, o que é muito perigoso, perigosíssimo”.

SAIBA MAIS
Bombeiros garantem segurança
Apesar de o próprio gerente do Mercado Municipal admitir que o plano contra incêndios ainda está em implantação, com “uma série de exigências do Corpo de Bombeiros que temos que regularizar”, a corporação informou a O NORTE, em nota, que o Mercado Municipal possui Processo de Segurança Contra Incêndio e Pânico (PSCIP) aprovado no Corpo de Bombeiros. Atualmente, a edificação está em fase de execução das medidas preventivas aprovadas em projeto, tendo a Prefeitura informado que abriu licitação em 21/11/2019 para aquisição dos equipamentos e materiais necessários para conclusão da obra.

Entendendo a importância da conclusão do processo de regularização definitiva da edificação junto ao Corpo de Bombeiros, foi realizada uma reunião com o Executivo municipal em 04/1/2019, com a participação dos secretários de Infraestrutura e Agricultura, e do Responsável Técnico da edificação, a fim de alinhar as ações imediatas a serem adotadas para que o espaço dispusesse de meios preventivos que ofertassem uma segurança aos usuários enquanto o processo de regularização não fosse finalizado.

Além disso, foi realizada nova reunião com os responsáveis pelo Mercado em 13/3/2019 na sede da 13ª Promotoria de Justiça de Montes Claros, com o intuito de reforçar a necessidade de instalação de meios preventivos, como extintores de incêndio, desobstrução das saídas de emergência e treinamento de uma brigada de incêndio para o local. Todas essas ações foram concluídas no prazo estabelecido, 26/3/2019. Essas medidas, somadas à sinalização de emergência existente, conferem à edificação condições mínimas de segurança para o seu funcionamento. Informamos ainda que, de acordo com relatos dos responsáveis pela edificação, o local é alvo de vandalismo e constantes furtos dos equipamentos de prevenção, o que dificulta a manutenção do sistema preventivo.