O prazo para que a Prefeitura de Montes Claros aplicasse os R$ 500 mil liberados pelo governo de Minas – como a primeira de três parcelas iguais – para a urbanização da Lagoa de Interlagos, principal espelho d’água da cidade, terminaria hoje. No entanto, conforme apurou com exclusividade a reportagem de O NORTE junto à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, a vigência do convênio foi prorrogada por mais um ano, segundo Termo Aditivo em processo de formalização junto à municipalidade. 

O escritório do deputado Tadeuzinho (MDB), que viabilizou os recursos, permitiu à reportagem de O NORTE ter acesso à documentação que comprova que a verba está no caixa municipal desde 26 de outubro de 2017, ou seja, há quase dois anos. Neste período, no entanto, sequer foi feita a limpeza das margens da lagoa – tomadas por taboas –, muito menos a retirada de garrafas plásticas lançadas diariamente nas águas, via esgoto oriundo de córregos dos bairros Santa Lúcia, Monte Carmelo, Carmelo, Santa Laura e Esplanada.

Ontem à tarde, O NORTE documentou, além do esgoto e do lixo jogados no lago, como as taboas estão tomando conta do espelho d’água que foi um dos mais importantes cartões-postais da cidade, acelerando seu processo de assoreamento. De acordo com a Sociedade Nacional de Agricultura, cada metro quadrado da planta consome 4,5 litros de água por dia, ou seja, “além de ocupar o espaço que deveria estar com água, segura os sedimentos e continua consumindo a água que porventura venha no período de chuva”. 
 
VEREADORES 
O abandono da lagoa foi tema abordado no Legislativo pelos vereadores Idelfonso Araújo e Dr. Valdivino, ambos do MDB, que denunciaram a morosidade da Prefeitura de Montes Claros para o uso do recurso do Estado. 

Já o vereador Valcir da Ademoc (PTB) argumentou que, “enquanto a situação da revitalização da Lagoa do Interlagos não se define, o município ignora os cuidados com o espaço, prejudicando sua utilização pela população, uma vez que sequer mantém a limpeza em dia”.

O titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Planejamento Urbano, engenheiro Guilherme Guimarães, não respondeu aos questionamentos da reportagem acerca da não utilização da verba e sobre detalhes técnicos do novo projeto.

Entretanto, por intermédio da Assessoria de Comunicação da pasta, garantiu que o município fará sua parte, na construção de calçadão, pista de cooper, plantio de 300 árvores, ciclovia, academia ao ar livre, rampa de acessibilidade, bancos e lixeiras ao longo da lagoa. 

Para preservar a Lagoa do Interlagos, em uma região em que vivem mais de 100 mil pessoas, moradores criaram o “Projeto Guarujá Sustentável”, que prevê desde coleta seletiva à educação de carroceiros que jogam entulhos e lixo em suas margens. 

Já o secretário de Meio Ambiente, Paulo Ribeiro, disse a O NORTE que aposta em uma renegociação com o governo de Minas, “para um volume maior de recursos serem liberados em 2020, de modo a garantir igualmente a urbanização da área assoreada próxima do acesso ao bairro Independência”.