Montes Claros registrou queda no número de homicídios, tentados e consumados, no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. A cidade contabilizou 12 assassinatos neste ano, contra 14 em 2020 – redução de 14%. Já os índices de tentativa de homicídio caíram de 28 para 16 no mesmo período – queda de 42%. 

Segundo informações da Polícia Civil, dos 12 homicídios consumados, nove já tiveram o inquérito encaminhado à Justiça. Das 16 tentativas de homicídio, 11 foram encaminhadas à Justiça, todos com conclusão. 

Somente neste ano, foram encaminhados para a Justiça 50 inquéritos policiais, alguns relacionados a anos anteriores, sendo 19 de homicídio consumado e 16 de homicídios tentados. Esses inquéritos incluem ainda lesão corporal seguida de morte, suicídio, encontro de cadáver e outras naturezas.

Nos seis primeiros meses de 2021, 35 pessoas foram presas na cidade envolvidas com a criminalidade violenta. De acordo com o delegado Jurandir Rodrigues César Filho, chefe do 11º Departamento de Polícia Civil, a taxa de apuração dos crimes que ocorreram em 2021 é de 72%. Já o índice de procedimentos elucidados e concluídos chega a 98%.

“A partir de agosto, anunciaremos essa taxa de uma forma mais consolidada. Em alguns períodos ela vai atingir mais de 100%, o que demonstra a força de trabalho da Polícia Civil de Montes Claros”, explica o delegado.
 
MUDANÇA NO PERFIL
De acordo com o delegado Bruno Rezende, da Delegacia de Homicídios, Montes Claros registrou uma mudança no perfil do crime, das vítimas e autores e dos instrumentos utilizados.

“Quando a Delegacia de Homicídios foi recriada em Montes Claros, em 30 de maio de 2012, houve naquele ano o maior índice de homicídios da série histórica, com 126 mortes. A cada dez assassinatos, nove estavam atrelados à criminalidade violenta direta ou indiretamente vinculada ao tráfico de drogas”, diz o delegado.

Hoje, segundo Rezende, “a cada dez homicídios, um é vinculado ao tráfico de drogas e nove são por discussões, brigas, crimes passionais, vingança”.

O instrumento do crime também mudou. A maioria era cometida por arma de fogo (78%); hoje são por outros instrumentos como faca, pedaço de madeira, barra de ferro, agressões por mão etc. 

“Parte dessa mudança está associada ao trabalho das polícias, efetivamente da investigação, com a prisão de grandes traficantes ou criminosos envolvidos no tráfico de drogas autores de homicídios. A aplicação das penas e julgamentos desestimularam boa parte deles a cometerem novos homicídios”, explica Bruno Rezende.

SAIBA MAIS
Reforço para o Norte

A Polícia Civil ganha reforços para atuar na região. Cinco novos delegados chegam para atender as cidades de Jaíba, Porteirinha, Janaúba, Montalvânia e Montes Claros. Além disso, são sete novos escrivães para Montalvânia, São Francisco, Mato Verde, Porteirinha, Monte Azul, Salinas e Montes Claros. Os novos integrantes foram apresentados nesta segunda-feira.

“O efetivo demonstra uma preocupação e uma atenção especial da chefia de Polícia Civil com o Departamento de Montes Claros, o que vai permitir que continuemos com o trabalho para manter a redução na criminalidade”, afirma o delegado Jurandir Rodrigues César Filho, chefe do 11º Departamento de Polícia Civil. (L.Q.)