Um vídeo que mostra guardas municipais de Montes Claros agredindo um homem na porta do Hospital Municipal Alpheu de Quadros viralizou nas redes sociais. As imagens, que chocaram os internautas, mostram três guardas agredindo com cassetete e chutes o comerciante Hélio Alves da Silva, de 52 anos. 

O comerciante conta que ele e a esposa procuraram atendimento no Alpheu de Quadros para filha, que estava com 39 graus de febre. Após a triagem, foram encaminhados para uma ala dentro do hospital e logo foram surpreendidos por uma enfermeira que, com tom grosseiro, mandou a família sair do local.

Hélio diz que colocou a mão sobre os ombros da enfermeira e pediu mais educação da parte dela. “Voltamos para a sala de espera e, pouco depois, fomos chamados. Dessa vez, minha esposa entrou com nossa filha. Eu fiquei do lado de fora junto com nosso filho de 11 anos”. 

Hélio ressalta que, após 20 minutos chegou uma equipe da Guarda Municipal de Montes Claros. Um dos agentes deu a ordem para que Hélio o acompanhasse a uma sala. O comerciante se negou a acompanhar os guardas. Ele alega que ficou desconfiado da atitude dos agentes, que estavam alterados. 

“Me neguei a segui-los por várias vezes. Então, começou a série de agressões, tudo na frente do meu filho. Tentei me defender, mas não consegui. Me jogaram no chão e deram chutes e bateram com os cassetetes, mesmo estando algemado. Contei quatro agentes”, relata Hélio. O comerciante diz que está emocionalmente abalado com o caso, com hematomas por todo corpo e dores, principalmente na região da barriga e da cabeça.

Após as agressões, o comerciante conta que os guardas o jogaram dentro de uma sala do hospital e lá ele recebeu atendimento médico. Hélio procurou outro hospital, pois não confiou no laudo do Alpheu, em função do que havia acontecido.

“Estou traumatizado, psicologicamente abalado. Minha autoestima está lá embaixo. Eles (guardas) saíram comigo algemado, com um sorriso na cara, como se eu fosse um troféu. Fui buscar atendimento para minha filha, não havia necessidade de toda essa violência”.

Em nota, a Guarda Municipal informou que após a briga com a enfermeira, Hélio recebeu voz de prisão, momento em que passou a agredir o agente. Neste momento, o reforço chegou e se deparou com o guarda sendo sufocado no chão, o que obrigou o uso dos meios necessários para cessar a agressão e liberar o agente. 

“O comandante da Guarda Municipal, Wagner Lopes, instaurou processo administrativo a ser enviado para a Corregedoria do Município para avaliar a conduta do agente em questão”, completa o secretário de Defesa Social, Anderson Chaves. 

A diretora do Hospital Alpheu de Quadros, Socorro Carvalho, disse que a equipe médica estava atendendo um detento que estava acompanhado por uma escolta policial e que Hélio não quis esperar e ficou empurrando a porta, acertando a enfermeira com o punho.

A PM não foi acionada no dia do fato, mas o comerciante fez um boletim de ocorrência e vai processar os envolvidos.