Seguir em frente, sem olhar com pesar para o que viveu de negativo nem ficar no saudosismo do que foi positivo. O que acontece no hoje é o que importa – o momento presente. Essa é a sábia reflexão do montes-clarense Raymundo Tito Tupinambá, o Seu Ray, que completou 100 anos em setembro.

Ele chega ao centenário cheio de disposição, vitalidade e amor pela vida e pela família. Apesar das limitações impostas pela pandemia do novo coronavírus, Seu Ray se manteve saudável e alegre.

Para se proteger, deixou de andar de ônibus, de fazer a feira e teve que se acostumar a ficar quieto em casa, recebendo poucas pessoas. Mas não deixou de se cuidar e fazer os exames anuais. E se prepara para receber a terceira dose contra a Covid.

Além disso, descobriu o mundo virtual, pelo qual se encantou. “A tecnologia me encanta! Não entendo direito, mas a aceito e vibro quando meus filhos me contam que as informações estão nas nuvens. Lá em cima? Como? Falo nada... aceito! (risos) Uso o computador para ver o Facebook, notícias dos meus filhos, netos e demais. As contas faço na mão mesmo”, diz.

E cabeça boa para isso ele tem: Seu Ray se orgulha em dizer que, aos 100 anos, é o síndico do prédio onde mora, no centro da cidade. “Minhas planilhas são no papel”, ressalta.
 
LAZER 
Entre as distrações do centenário, está a TV. “Com minhas novelas, programas como a Dança dos Famosos, pois fui um dançarino de primeira no meu tempo. Vejo também os programas de cantores, pois na minha família são muitos os artistas e sempre os admirei. Somos espectadores de carteirinha do Big Brother, pois gostamos de quem vai atrás de um sonho”, conta.

Casado com Maria Dalma Silva Tupinambá, de 91 anos, desde 1950, Seu Ray tem quatro filhos: Wildes, Renato Antônio, Everardo e Adriene. Além disso, considera a nora Sandra e o genro Dejair como filhos, e tem ainda 11 netos e dois bisnetos.

“Minha relação com todos eles é de muito orgulho, respeito e alegria, sempre pautada no sucesso deles. O que eles queriam, eu sempre procurava apoiar. Minha tranquilidade, fé e confiança que sempre depositei no outro fez de todos eles homens e mulheres de bem. Se querem chegar aos 100, confiem nas pessoas, esqueçam seus defeitos e enxerguem apenas suas qualidades”, ensina Seu Ray.

Ele foi um dos fundadores do Lions Clube em Montes Claros, onde atuou por muitos anos. Fez grandes amigos e quase todos já se foram. “Cito cinco maiores amigos de longa data: Vicente Braga, Benedito Maciel, Olímpio Gomes, Vivaldo Macedo, Carlúcio Athayde”.
 
TRAJETÓRIA
Nestes cem anos, Seu Ray morou em Juiz de Fora, Monte Azul e Belo Horizonte e o restante deste tempo em Montes Claros, na avenida Afonso Pena, nas ruas Carlos Pereira, Lafetá, Bauxita e Coronel Spyer, onde reside atualmente.

“Os dois endereços mais marcantes para mim foram da rua Bauxita, 100, nossa primeira casa, construída por mim, no auge da juventude dos meus filhos, muitas histórias. E a outra casa, um apartamento construído há mais de 30 anos, na Coronel Spyer, 555, onde resido até hoje”.

Em Juiz de Fora, atuou no Exército, onde chegou ao posto de sargento. Trabalhou como agrimensor com o pai Tobias Leal Tupinambá e como representante comercial.

“Construí, junto com meu filho, o engenheiro Wildes Tupinambá, várias casas em Montes Claros. Atuei até aposentar como empresário no ramo de loja feminina, junto com a minha esposa. Tivemos duas lojas: Oca Novidades e D&M Boutique”, lembra o centenário cheio de histórias para contar.

A rotina atual, segundo ele, é de aposentado. “Gosto de saber todas as notícias, ver televisão, ler os jornais, receber meus filhos, torcer pelo sucesso deles e dos 11 netos. Sou apaixonado pelos meus dois bisnetos: Nina, que mora na França – a vejo pela internet – e Nicholas, que está sempre por aqui”.
 
FESTA
Devido à pandemia, os 100 anos de Seu Ray foi comemorado na casa do filho Renato, de forma simples, só com os filhos e netos. “Foi um momento íntimo, de muito amor e alegria. Como disse, tenho muitos artistas na família e todos me homenagearam cantando a música do Zé Ramalho – “Avô Ray... Que é avô e pai! E acho que é o que tenho de melhor: ser avô e pai da mesma forma”.

“Ele sempre será o nosso presidente do Instituto Laborearte, que hoje não existiria se não fosse o apoio irrestrito dele nos momentos mais desafiadores, quando ninguém acreditava nessa ideia” -  Adriene Tupinambá, artista plástica, filha de Seu Ray