A professora universitária e pesquisadora Maria Ângela Figueiredo Braga não passa despercebida. É sempre destaque nos desfiles de Ascânio Macedo. No lançamento da coleção primavera-verão do estilista montes-clarense, Maria Ângela mais uma vez foi o centro das atenções e nos conta que, antes de tudo, o estilista é para ela um “irmão de alma, destas pessoas que o Universo converge para que ocorra o encontro”.

“Ou seja, estava escrito. A nossa amizade é essencial em minha vida. Minha admiração e respeito pelo seu trabalho é consequência de anos de convivência. Participar dos desfiles que ele realiza, com maestria, é tão inerente, é tão intrínseco na nossa vida que não tem nem como explicar e sim vivenciar”, diz.

Maria Ângela destaca ainda que sua formação se processa sob diversos e vários aspectos. “Tive o privilégio de ter pais maravilhosos, que sempre nos incentivaram a sermos nós mesmos. Sou filha de fazendeiro e professora, que formaram uma família onde somos três irmãs e um irmão, que para mim, são fonte de inspiração e grande exemplo de vida”. 

Após se formar em administração e sociologia, Maria Ângela gosta de fazer arte. E se permitiu alçar novos voos.

“Me permiti estudar, morar, viver em vários cantos deste rincão de meu Deus, por quase 20 anos. Enveredei para a setor educacional, onde estou até hoje. E adoro meu trabalho”! 

Qual a sua relação com a moda, com esses desfiles?
É uma alegria! Adoro! Ele trabalha e eu me divirto! Ele é tão competente, tão criativo, tão brilhante que quando usamos suas criações ele nos faz sentir mais seguras, mais conscientes de nós mesmas e até mais bonitas! É muito prazeroso participar com ele nos seus desfiles.
 
Para você, o que Montes Claros tem de melhor?
Montes Claros é um lugar muito especial. O fato de eu ser daqui, ser criada aqui e ter construído aqui as mais sólidas e consistentes amizades faz toda diferença em minha vida. Tenho um carinho enorme por esta cidade, testemunha de tantas trajetórias! Tantas aventuras! Uma cidade peculiar. Acolhedora e literalmente calorosa.
 
Qual a experiência mais marcante de sua carreira como professora universitária?
Vários e vários experimentos, experiências e vivências ao longo deste meu caminho... mas participar do processo de qualificação de professores pelo interior de Minas Gerais, foi muito gratificante, muito compensador.
 
Qual foi o maior desafio?
Quando assumi a Direção do CCSA – Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Unimontes, onde se congregam seis cursos: administração, ciências sociais, contábeis, direito, economia e serviço Social. Realmente, foi e é um desafio diurno, todavia extremamente gratificante!
 
Ao olhar para trás e avaliar os anos de profissão, qual sua sensação? Teria feito algo diferente? 
Uma sensação muito gratificante, mesmo passando por momentos tão pesarosos como estes atuais. Já cantando para descer, rumo à aposentadoria, os frutos colhidos valeram à pena de ser colhidos. Por vezes superaram expectativas e, acredito, estão mais longe que o previsto. Quanto a fazer algo diferente, acredito que se tivéssemos a oportunidade de refazer algumas coisas sim, outras, na sua maioria faria tudo outra vez, se possível fosse... Como diz o adágio: vida que segue...

"Participar do processo de qualificação de professores pelo interior de Minas, foi muito gratificante, muito compensador", Maria Ângela Figueiredo Braga