Com o calor quase batendo os 40 graus, os montes-clarenses comemoram a liberação das piscinas nos clubes da cidade. A flexibilização veio com o Decreto nº 4.281, publicado na noite da última sexta-feira. Imediatamente, os diretores dos clubes se mobilizaram para preparar o refresco dos associados.

“Abrimos no domingo, com cuidado, mas ainda precariamente, porque neste período ficamos sem alguns funcionários. Teve movimento e o decreto atende ao nosso anseio”, diz Charles Caldeira, diretor do Max-Min Clube.

Ele conta que o espaço possui três piscinas agora em funcionamento. Com isso, os associados devem voltar a pagar as mensalidades, aliviando a situação financeira da empresa.

“O fluxo de caixa de qualquer empresa depende muito disso. Não foi fácil e, se não tivéssemos uma certa experiência, teríamos entrado em colapso. Agora lutaremos pela abertura da sauna. Ficaremos satisfeitos com o retorno, que vai deixar o clube funcionando plenamente”, afirma.

Frequentador assíduo do clube, o músico André Maia comemora mais essa flexibilização. “Não havia justificativa para essa proibição, tudo está aberto em Montes Claros e apenas as piscinas de clubes e condomínios permaneciam fechadas. Estou satisfeito de ter encabeçado essa campanha”, afirma o montes-clarense que levou a filha para nadar no fim de semana. “Me sinto seguro. O cloro atua contra o vírus e eles usam na piscina”, diz o músico.
 
CINEMAS
O novo decreto trouxe também mudanças para os cinemas. Antes permitidos funcionar com 30% da capacidade, agora podem ter o público em até 50%, mas com limite de até 60 pessoas.

As bombonieres continuam sem permissão para funcionar. Essa proibição foi o argumento usado pelos gestores dos espaços para não reabrir, alegando que apenas a venda de ingressos não cobre o custo de funcionamento das salas.

Criada especialmente para defender a reabertura desses locais, a página “Salve o Cinema” destaca que o decreto ainda não atende a demanda e impossibilita a reabertura. Nas redes sociais da Prefeitura de Montes Claros, são constantes os pedidos para que a flexibilização seja mais ampla.

O administrador da página diz que os decretos são ineficientes e ressalta que nenhum representante da categoria foi consultado antes da decisão. “Apesar dos 50%, a ocupação efetiva continua em torno de 25% a 40%, mesma média de antes”, explica.

Gerente do Ibis Cinemas no Ibituruna Shopping, Paula Fagundes afirma que o novo decreto não altera em nada a situação. “Permaneceremos fechados. Vamos continuar lutando para que a medida seja revista pela autoridade local”.

No Montes Claros Shopping, a Rede Cinemais também permanece fechada e a diretoria local aguarda um posicionamento oficial dos proprietários. Não houve ainda sinalização para reabertura.
 
OUTROS PONTOS
O novo decreto também ampliou o público que poderá frequentar as escolas presencialmente. Agora, cada sala de aula poderá receber 75% da turma em cada dia. Os demais deverão acompanhar as aulas de maneira virtual. A medida vale para escolas públicas e privadas.

Cultos e eventos religiosos poderão ocorrer com ocupação de até 30% da capacidade do espaço, com limitação de até 200 pessoas, respeitando o distanciamento de 2 metros entre elas.