A próxima semana deve ser de comércio movimentado em Montes Claros. Pelo menos é o que esperam os lojistas com a Black Friday batendo à porta. A campanha de promoções no varejo nacional está marcada para a sexta-feira, mas muitas lojas já estão decoradas para chamar a atenção dos clientes.

A expectativa para este ano é a de que as vendas cresçam até 5% em relação ao ano passado. Ampliação que pode ajudar os empresários a amenizar os impactos da pandemia e refazer o caixa antes mesmo do Natal.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Montes Claros, Ernandes Ferreira da Silva, está otimista para a Black Friday 2021.

“Estamos com comércio aberto e protocolos liberados, e esta é uma data importante antes do Natal, porque o comércio precisa aquecer. Em torno de 65% da nossa população irá fazer compras esse ano”, afirma o dirigente.

Segundo ele, tanto o empresário como o consumidor brasileiro já pegaram a cultura de fazer dessa data, uma data boa de compra.

“Acreditamos que deve haver um aumento em torno de 2% a 5% nas vendas em relação ao ano passado”, estima. Os eletrônicos saem na frente como os itens mais procurados por serem produtos de maior valor agregado.

Ernandes orienta os consumidores a garimparem as melhores ofertas, porque cada loja tem uma necessidade diferente de fazer caixa e desovar estoques, portanto, a pesquisa é fundamental para achar produtos com melhores preços e condições de pagamento.

“Aproveitamos para convidar o consumidor a prestigiar o comércio local. É importante comprar na cidade, porque o dinheiro fica aqui, gera divisas e emprego local. E não se esqueçam do comerciante das redes sociais”, frisa o presidente da CDL.
 
NÃO À BLACK FRIDAY
Apesar da expectativa gerada para essa data, tem comerciante que não concorda com ela. A empresária Marcela Guimarães, da loja Magshoes, está entre eles.

Ela acredita que esse não é o momento para promoções. “Essa é uma ação importada dos EUA e embutiram na cabeça do consumidor que, em pleno mês de novembro, o coitado do comerciante tem que fazer liquidação. Pois bem: não é momento para isto. Novembro é o auge da coleção. Mês de potencializar as novidades, de investir no novo, no belo, nas novas cores e criar boas expectativas e experiências para o cliente. É um momento em que deve-se focar em lucrar e não em esvaziar estoque”, defende.

Já a supervisora comercial Juliana Soares, da Papelaria Xodó, vê a Black Friday como um momento de impulsionar as vendas. “Graças a Deus a pandemia melhorou bastante e penso que vamos ter um Natal mais ou menos normal. Já estamos tendo maior procura de presentes, movimento de pessoas e vemos uma expectativa melhor do que no ano passado”, afirma.

Entre os consumidores, a divergência de opinião também existe. Há aqueles que acreditam que os descontos são ilusórios e os que veem na campanha o momento de fazer boas aquisições.

“Acho um bom momento para comprar, mas é preciso ter cautela para achar produtos que realmente valem a pena. Já tive oportunidade de comprar vários presentes em Black Friday anteriores”, diz a assistente financeira Mayounara Barbosa, de 38 anos.

Já o fruteiro Guilherme Andrade é mais desconfiado. “Eu não vejo a Black Friday como algo bom para comprar. Vejo como uma ilusão. O preço normal durante o ano é um valor e no dia da Black esse valor é aumentado como se tivessem nos dando um desconto”, diz.