O Centro de Capaci-tação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez de Montes Claros (CAS-MOC) corre o risco de perder o prédio onde realiza suas atividades. O espaço deverá ser cedido à Unimontes, para que a universidade possa usar como almoxarifado. A previsão é que o centro seja transferido para a Escola Estadual Dulce Sarmento. 

Na tarde de ontem, representantes da comunidade surda em Montes Claros, juntamente com o diretor da Sind-Ute subsede Montes Claros, Leonardo Andrade, se reuniram com o presidente da Comissão de Educação da Câmara de Montes Claros, Daniel Dias. O vereador deve propor, na reunião ordinária de hoje, uma audiência pública para discutir a sessão do espaço e a importância do CAS para a região. 
 
MANIFESTO 
Uma manifestação também está marcada para hoje, às 17h, na praça do Campus da Unimontes. Amanhã, outra manifestação deve ocorrer na praça Dr. Carlos Versiani, às 8h.

O sindicato é contra a mudança dos trabalhos do local. Representantes da entidade afirmam que o prédio já possui as instalações necessárias às atividades da comunidade surda, como, por exemplo, o sinal por meio de luzes. 

A demanda também é grande. Mais de 400 pessoas aguardam na fila por um chamado para capacitação em Libras. Essas pessoas apontam que o espaço no prédio já se faz insuficiente e o número de servidores também. 

Além de surdos e de servidores da educação, o CAS realiza trabalhos de capacitação de profissionais de diversas áreas. Curiosamente, capacitou, em 2018, 25 acadêmicos do curso de Medicina da Unimontes, e outros 25 serão capacitados neste ano. 

Intérprete de Libras e surdo, Lucas se capacitou no CAS. Ele afirma que a decisão quer calar os surdos. “Eles não podem tomar o prédio dessa maneira. Somos mais de 2 mil surdos em MOC. E qual espaço o surdo tem na cidade? Toda a sociedade montes-clarense conhece o CAS. É uma falta de respeito isso”, afirmou.

Através da assessoria de comunicação, governo do Estado informou que iria se pronunciar somente através da Unimontes, que, em nota, respondeu que “a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) está atenta às necessidades de toda a rede estadual de Educação e realizará estudos para um melhor atendimento dos estudantes no Norte de Minas em todas as modalidades, envolvendo tanto as instituições da Educação Superior quanto as da Educação Básica da região”.