As discussões e polarizações tão acirradas nos últimos meses em função da pandemia pelo novo coronavírus, com politização do tema e das ações que deveriam ser implantadas para socorrer os brasileiros, foram decisivas na elaboração da Campanha da Fraternidade 2021. Com o tema “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor”, a iniciativa deste ano abre o período da Quaresma com o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade”.

Lançada nacionalmente na última quarta-feira, a campanha também foi apresentada em Montes Claros, durante solenidade na Câmara de Vereadores nesta quinta-feira (18).

De acordo com o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Joel Portella Amado, a campanha será voltada ao diálogo. “O vírus, já tão letal em si mesmo, encontrou aliados na indiferença, no negacionismo, no obscurantismo, no desprezo pela vida. Sejamos, portanto, aliados na responsabilidade, na lucidez e na fraternidade”, disse durante o lançamento virtual da campanha, que neste ano conta com a participação do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic).

O bispo explicou que o tema do diálogo é uma continuidade da campanha de 2020, sobre cuidado mútuo entre as pessoas, e não se trata de “querer que todos pensem do mesmo modo”, mas de perceber que a diferença é convite ao diálogo.

“Perplexas pela pandemia, as igrejas que compõem o Conic e algumas igrejas observadoras uniram-se e identificaram nesse tema a mensagem que o nosso tempo necessita. É triste ver que nosso tempo vem apresentando a marca da radicalização, da polarização e desrespeito às pessoas, em especial às mais simples e vulnerabilizadas”, disse dom Joel.
 
MONTES CLAROS
No lançamento em Montes Claros, participaram o arcebispo metropolitano da cidade, dom João Justino de Medeiros Silva, e representantes das igrejas católica e evangélica do município.

Dom João Justino ressalta que o objetivo principal da campanha é promover, a partir das comunidades cristãs envolvidas na campanha, a consciência e a prática do valor do diálogo. “Vivemos no mundo com muitas palavras, mas sabemos que infelizmente muitas palavras são divulgadas de modo inconsequente e geram divisão em pessoas dentro da sociedade, famílias, em relação a alguns grupos sociais e igrejas”.
 
AÇÕES
De acordo com o arcebispo, o trabalho ecumênico na Arquidiocese de Montes Claros ainda é muito pequeno. “Há iniciativa sobretudo nos trabalhos sociais, pois as igrejas evangélicas ou protestantes históricas possuem trabalhos significativos. Se fala que esse é um primeiro passo importante, servir o próximo, e essa proximidade nos dá chance de conhecer o outro e nos desarmarmos. Em Montes Claros, vemos alguns passos pequenos nessa direção e queremos incrementar isso e dar passos mais significativos”, ressalta.

Durante o período da campanha, que equivale à Quaresma, a Igreja Católica vai realizar os ritos tradicionais do período, como o retiro popular, via sacra, grupos de oração e celebrações.

SAIBA MAIS
A Campanha da Fraternidade é realizada pela CNBB todos os anos no tempo da Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa. Esta é a quinta edição ecumênica da campanha, que congrega diversas denominações cristãs com o objetivo de valorizar as riquezas em comum entre as igrejas.
 
De acordo com a CNBB, a Campanha da Fraternidade tem como gesto concreto a coleta de recursos para apoio a projetos sociais relacionados à temática da campanha. Em 2019, o Fundo Nacional de Solidariedade distribuiu mais de R$ 3,8 milhões, atendendo a mais de 230 projetos. Em 2020, por causa da pandemia, não ocorreu arrecadação.

*Com Agência Brasil