Cansados de esperar por uma ação da Secretaria Municipal de Esportes, atletas e adeptos da corrida em Montes Claros se mobilizaram para construir uma pista de atletismo e permitir que a comunidade tenha um espaço para a prática de atividades físicas e esportivas que promovam a saúde.

“Todos os corredores da cidade querem uma pista, só que a única que tem é na Unimontes e está fechada por conta da pandemia. Além disso, é de difícil acesso. Tivemos a ideia, juntamos a turma e fizemos uma raia de 400 metros para que a gente possa treinar velocidade, ritmo e sair da rua”, afirmou o corredor Leandro Pereira Santos, do Grupo de Corredores Elite Moc.

A ação recebeu o apoio de cerca de 50 corredores da cidade. O local escolhido pelo grupo fica ao lado do Estádio Mocão, no bairro Delfino Magalhães, cuja construção está abandonada pelo poder público.

“Nós vimos que o espaço está abandonado. Não pedimos nada da prefeitura ainda, mas gostaríamos ao menos que um caminhão fizesse a limpeza do local e marcasse a raia para a gente, nada mais do que isso. Precisamos de uma pista que não seja asfaltada e que não tenha carros circulando. É só uma terra batida para a gente treinar. Montes Claros é berço de atletas, mas, infelizmente, não temos incentivo”, pontuou Leandro, que já participou da Maratona de Floripa e ficou em primeiro lugar na sua faixa.

Para a viagem, não conseguiu sequer a passagem de ônibus ou uniforme. A situação é constantemente reclamada pelos atletas, que apontam a falta de incentivo municipal em todos os aspectos. 

A principal corrida da cidade, “José Nardel”, tradicionalmente realizada pelo município em julho, data do aniversário da cidade, deixou de ter premiação em dinheiro. De acordo com os atletas, o máximo que tem é um troféu.

“Antigamente, a premiação era em torno de R$ 2 mil para o primeiro colocado, mas eles cortaram. Agora, mal-mal um trofeuzinho. Não tem nem um tênis para quem sobe no pódio. Se cobram inscrição e, além disso, têm patrocinadores, não é justo que não tenha prêmio em dinheiro”, ressalta o corredor, explicando que a inscrição custa cerca de R$ 35.

A reportagem tentou contato com o secretário da Pasta, Igor Dias, mas na Secretaria Municipal de Esportes as ligações não foram atendidas.