A situação dos moradores de rua em Montes Claros voltou à pauta na Câmara Municipal nesta quinta-feira (19), em audiência pública realizada para discutir os impactos da crise nas questões sociais do município.

No debate proposto pelo vereador Daniel Dias (Psol), o secretário de Desenvolvimento Social, Aurindo Ribeiro, alegou que a crise que o município enfrenta é de responsabilidade do Estado e da União, em função do corte de repasses.

Para o representante do Movimento da Frente Brasil Popular, Felipe Lima, a estimativa é a de que o número de moradores de rua esteja em cerca de 700, mas ele ressalta que os dados não são oficiais e que o número pode ser bem maior.

“Alguns levantamentos apontam para mais de mil moradores em situação de rua na cidade. O Restaurante Popular segue fechado há três anos. Por que a prefeitura não retoma algo que era tão concreto na cidade? Estamos falando de uma questão básica, que é a comida. A prefeitura tem gasto milhares e milhares de reais em pavimentação e não pode alimentar o povo? É muito sério e a prefeitura tem sido negligente nesta situação”, alertou Felipe.

A situação é tão crítica que, como foi lembrado na audiência, a Biblioteca Municipal do Centro Cultural, localizada na Praça da Matriz, foi fechada recentemente no turno da noite em razão do alto número de moradores de rua naquele local.

Segundo o secretário de Cultura, João Rodrigues, a pauta agora é do Desenvolvimento Social, mas o secretário Aurindo Ribeiro se recusou a falar sobre o assunto. 

“A partir desta audiência, vamos encaminhar requerimento ao prefeito com as principais questões levantadas aqui”, informou Daniel Dias.

Leia mais:
Cresce presença de moradores de rua
Novo albergue poderá atender 60 pessoas