Em vídeo divulgado nesta terça-feira, o prefeito Humberto Souto anunciou um possível retorno às aulas presenciais das redes privada e municipal de Montes Claros a partir deste mês. Embora não haja ainda nenhum decreto autorizando a medida, o prefeito admitiu que está “completamente perdido neste mundo de informações que não informam o essencial”.

De acordo com as declarações do prefeito, as escolas particulares retomariam as atividades em meados de fevereiro de maneira gradual e mista, com ensino presencial e remoto. E as escolas municipais iniciariam o calendário em março, se mantidos os índices atuais divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde.

O anúncio provocou reações diversas e a Comissão de Educação da Câmara Municipal entende como prematura a decisão. Para a vereadora e professora Iara Pimentel (PT), membro da comissão, o retorno só deve acontecer depois da vacinação dos profissionais, já que, ao contrário das escolas particulares, que têm um plano de retomada, o município não tem condições de cumprir os protocolos.

“Só na escola pública municipal são mais de 5 mil trabalhadores da educação. Atendemos cerca de 30 mil alunos. Se a educação tem essa valorização e reconhecimento, que estes profissionais tenham prioridade e sejam vacinados antes do retorno às aulas. Temos vontade de voltar, mas ainda não temos acesso à vacina”, alerta. 

O vereador Daniel Dias (PCdoB), presidente da Comissão de Educação, enfatiza que a volta só pode ocorrer quando houver segurança para professores e alunos. 

“Assim como o prefeito afirma que a educação é a coisa mais importante, a gente acrescenta que a educação se faz a várias mãos, com professores, profissionais, pais de alunos e toda a sociedade envolvida neste tema importante. O que a gente sugere é que tem que ocorrer o retorno a partir do momento em que houver segurança para alunos, pais e professores”.
 
PLANOS
O presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Norte de Minas (Sinep Norte), Élio Soares Ribeiro, afirma que a entidade apresentou ao chefe do Executivo, em quatro oportunidades, requerimentos e planos para o retorno entre os dias 18/6/20 a 20/11/20. O plano foi levado ao Comitê de Combate à Covid-19 e, duas semanas depois, foi reformulado com mais detalhes.

Os pedidos foram reiterados em outubro e novembro do mesmo ano, mas somente na segunda semana de dezembro houve uma reunião para ouvir as escolas particulares.

“As escolas particulares já estão preparadas há meses, com todos os investimentos necessários para o retorno indicado, na forma híbrida de ensino e, especialmente, preparadas para todos os protocolos de prevenção e segurança ao contágio da Covid-19”.

Ele ressalta que o plano traz orientações para a gestão, espaço físico e distanciamento social, equipamentos de desinfecção e proteção, medidas pedagógicas e educativas aos alunos, medidas para o corpo docente, procedimentos para limpeza e desinfecção.

“Além disso, o Sinep Norte elaborou um cronograma de retorno contemplando os diversos segmentos da educação: infantil, fundamental I e II, médio, profissionalizante e superior, analisando inclusive o impacto da mobilidade de pessoas. Em todas as instituições é possível implementar o retorno presencial imediato de, no mínimo, um terço de cada turma, com a medida de distanciamento e revezamento, respeitando os casos que precisam ser mantidos na modalidade remota”, explica Élio.

A secretária Municipal de Educação, Rejane Veloso, não atendeu às ligações. O município ainda não tem um plano de retomada elaborado e o prefeito não informou data para publicar um decreto autorizando a retomada.